Sección: Artículos
Publicado: 2022-01-01

Economía solidaria, Incubadoras Sociales y desarrollo regional: un estudio bibliométrico

Solidarity economy, social incubators and regional development: a bibliometric study

Économie solidaire, Incubateurs Sociaux et développement régional: une étude bibliométrique

Economia solidária, incubadoras sociais e desenvolvimento regional: um estudo bibliométrico

Economia solidária, incubadoras sociais e desenvolvimento regional: um estudo bibliométrico

  • Rebeca Martins Do Amaral Centro Federal de Educación Tecnológica Celso Suckow da Fonseca https://orcid.org/0000-0002-4434-5831

    Licenciada en Administración. Centro Federal de Educación Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, Programa de Postgrado en Desarrollo Regional y Sistemas Productivos. Nova Iguaçu, Rio de Janeiro (26041-271). Correo electrónico: rebeca.Mest21@gmail.com

  • José André Villas Bôas Mello Centro Federal de Educación Tecnológica Celso Suckow da Fonseca https://orcid.org/0000-0002-0628-9664

    Doctor en Ingeniería de Transportes. Centro Federal de Educación Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, Programa de Postgrado en Desarrollo Regional y Sistemas Productivos. Nova Iguaçu, Rio de Janeiro (26041-271). Correo electrónico: joseavbm@yahoo.com.br

Palabras clave: (en) Solidarity economy, Social Incubators, Regional development, Bibliometrics
Palabras clave: (es) Economía solidaria, Incubadoras Sociales, Desarrollo regional, Bibliometría
Palabras clave: (fr) Économie solidaire, Incubateurs Sociaux, Développement régional, Bibliométrie
Palabras clave: (pt) Economia solidária, Incubadoras Sociais, Desenvolvimento regional, Bibliometria
Palabras clave: (it) economia solidária, Incubadoras Sociais, desenvolvimento Regional, Bibliometria

Con el paso del tiempo han surgido diversos estudios sobre el tema de la economía solidaria, destacando su relevancia como mecanismo de promoción del desarrollo sostenible. En este universo, las Incubadoras Sociales son consideradas entidades que cuentan con el apoyo técnico y metodológico adecuado, para asistir a los emprendimientos solidarios que buscan valorizar los aspectos locales, apoyar la formulación y el monitoreo de las políticas públicas que miden el desarrollo. De este modo, la interrelación y el potencial productivo entre la economía solidaria y las Incubadoras Sociales pueden estimular el desarrollo regional a través de las políticas públicas. Este artículo trata de comprender cómo ha evolucionado la investigación sobre las Incubadoras Sociales como instrumento de corroboración para la promoción de políticas públicas de desarrollo regional en el contexto de la economía solidaria. Con la metodología basada en un análisis bibliométrico de artículos científicos debidamente seleccionados de las bases Web of Science y Scopus, se encontró un marco científico que expresa elementos vinculados a la sostenibilidad, sistemas de información para la creación de indicadores políticos coherentes con la realidad local y ejemplos de iniciativas solidarias que corroboran el desarrollo regional y nacional. Se concluyó que existe un número creciente de estudios que contribuyen a esta propuesta de intersección a favor del desarrollo, mostrando que el apoyo y la tecnología de los programas que involucran a las Incubadoras Sociales, aliadas a la economía solidaria, pueden estimular el desarrollo regional y fomentar las iniciativas públicas hacia el progreso nacional. La propuesta de un estudio bibliométrico para analizar los principales elementos presentes en la literatura que engloba la conectividad de las áreas elegidas, teniendo en cuenta la contribución de las Incubadoras Sociales para fortalecer la economía solidaria e influir en el desarrollo regional, se presenta como el punto de originalidad de la investigación.

Over time, many studies have emerged on the solidarity economy theme, highlighting its relevance as a mechanism for promoting sustainable development. In this scenario, Social Incubators are considered institutions that provide appropriate technical and methodological support, both to assist solidarity enterprises that seek to value local aspects, and having a capable instrumentality of supporting the formulation and supervision of public policies that measure development. As a result, the existing interrelation and productive potential between the solidarity economy and the Social Incubators can stimulate regional development through public policies. This study seeks to understand how scientific research on Social Incubators has been evolving as a tool to corroborate the promotion of public policies on regional development in the solidarity economy context.  With the methodology based on bibliometric analysis' properly selected articles from the Web of Science and Scopus bases, a scientific framework was found which expresses elements linked to the theme with regards to sustainability, information systems to the coherent policy indicators creation to the local reality and cases of solidarity initiatives that corroborate regional and national development. It was concluded that there is a growing number of studies with the potential to contribute to this proposed intersection in favor of development, showing that the support and technology of extension programs that involve Social Incubators, associated with solidarity economy, can stimulate regional development and foster public initiatives towards national progress. The proposition of a bibliometric study to analyze the main elements present in the literature that encompass the connectivity of the chosen areas, bearing in mind the contribution of Social Incubators both to strengthen the solidarity economy and in the role of influencing regional development, presents itself as the research’s point of originality.

Avec le temps, diverses études ont émergé sur le thème de l'économie solidaire, soulignant sa pertinence comme mécanisme de promotion du développement durable. Dans cet univers, les Incubateurs Sociaux sont considérés comme des entités qui disposent du soutien technique et méthodologique approprié, tant pour assister les entreprises solidaires qui cherchent à valoriser les aspects locaux, que pour disposer d'une instrumentalité capable de soutenir la formulation et le contrôle des politiques publiques qui mesurent le développement. De cette manière, l'interrelation et le potentiel productif existant entre l'économie solidaire et les Incubateurs Sociaux peuvent stimuler le développement régional au travers des politiques publiques. Cet article vise à comprendre comment la recherche sur les Incubateurs Sociaux a évolué en tant qu'instrument de corroboration pour la promotion des politiques publiques de développement régional dans le contexte de l'économie solidaire. Avec la méthodologie basée sur une analyse bibliométrique d'articles scientifiques dûment sélectionnés dans les bases Web of Science et Scopus, on a constaté un cadre scientifique qui exprime des éléments liés à la soutenabilité, des systèmes d'information pour la création d'indicateurs politiques cohérents avec la réalité locale et des exemples d'initiatives solidaires qui corroborent le développement régional et national. Il a été conclu qu'il existe un nombre croissant d'études qui contribuent à cette intersection proposée en faveur du développement, montrant que le soutien et la technologie des programmes d'extension qui impliquent les Incubateurs Sociaux, alliés à l'économie solidaire, peuvent stimuler le développement régional et promouvoir les initiatives publiques vers le progrès national. La proposition d'une étude bibliométrique pour analyser les principaux éléments présents dans la littérature qui englobent la connectivité des domaines choisis, en tenant compte de la contribution des Incubateurs Sociaux pour renforcer l'économie solidaire et influencer le développement régional, se présente comme le point d'originalité de la recherche.

Ao longo do tempo, emergiu-se diversos estudos na temática de economia solidária, destacando sua relevância enquanto mecanismo de promoção ao desenvolvimento sustentável. Neste universo, as Incubadoras Sociais são consideradas entidades que detém do suporte técnico-metodológico adequado, tanto para auxiliar empreendimentos solidários que buscam valorizar aspectos locais, como possuem uma instrumentalidade capaz de apoiar na formulação e controle de políticas públicas que mensuram o desenvolvimento. Dessa forma, a inter-relação existente e de potencial produtivo entre a economia solidária e as Incubadoras Sociais pode estimular o desenvolvimento regional a partir de políticas públicas. Neste artigo, busca-se compreender como têm evoluído as pesquisas sobre Incubadoras Sociais enquanto instrumento corroborativo ao fomento de políticas públicas em desenvolvimento regional, no contexto da economia solidária. Com a metodologia pautada a partir de uma análise bibliométrica de artigos científicos devidamente selecionados nas bases Web of Science e Scopus, encontrou-se um arcabouço científico que expressa elementos interligados a temática no que tange a sustentabilidade, sistemas de informação para a criação de indicadores políticos coerentes à realidade local e exemplos de iniciativas solidárias que corroboram o desenvolvimento regional e nacional. Concluiu-se que há crescente quantitativo de estudos com potencialidade de contribuição para com esta interseção proposta em prol do desenvolvimento, mostrando que o suporte e tecnologia de programas de extensão que envolvem Incubadoras Sociais, aliada a economia solidária, podem estimular o desenvolvimento regional e fomentar iniciativas públicas rumo ao um progresso nacional. A proposição de um estudo bibliométrico para analisar os principais elementos presentes na literatura que abrangem a conectividade das áreas escolhidas, levando em conta a contribuição das Incubadoras Sociais tanto para fortalecer a economia solidária como no papel de influenciar o desenvolvimento regional, apresenta-se como o ponto de originalidade da pesquisa.

Ao longo do tempo, diversos estudos surgiram sobre o tema da economia solidária, destacando sua relevância como mecaNel tempo sono emersi diversi studi sul tema dell'economia solidale, evidenziandone la rilevanza come meccanismo di promozione dello sviluppo sostenibile. In questo universo, gli Incubatori Sociali sono considerati entità che dispongono di un adeguato supporto tecnico e metodologico per assistere le imprese solidali che cercano di valorizzare gli aspetti locali, supportare la formulazione e il monitoraggio delle politiche pubbliche che misurano lo sviluppo. In questo modo, l'interrelazione e il potenziale produttivo tra l'economia solidale e gli Incubatori Sociali possono stimolare lo sviluppo regionale attraverso le politiche pubbliche. Questo articolo cerca di capire come si sia evoluta la ricerca sugli Incubatori Sociali come strumento corroborante per la promozione delle politiche pubbliche per lo sviluppo regionale nel contesto dell'economia solidale. Con la metodologia basata su un'analisi bibliometrica di articoli scientifici opportunamente selezionati dalle banche dati Web of Science e Scopus, è stato individuato un quadro scientifico che esprime elementi legati alla sostenibilità, sistemi informativi per la creazione di indicatori politici coerenti con la realtà locale ed esempi di iniziative di solidarietà che corroborano lo sviluppo regionale e nazionale. Si è concluso che c'è un numero crescente di studi che contribuiscono a questa proposta di intersezione a favore dello sviluppo, dimostrando che il supporto e la tecnologia dei programmi che coinvolgono gli Incubatori Sociali, alleati dell'economia solidale, possono stimolare lo sviluppo regionale e incoraggiare iniziative pubbliche verso il progresso nazionale. La proposta di uno studio bibliometrico per analizzare i principali elementi presenti nella letteratura che abbraccia la connettività dei territori prescelti, tenendo conto del contributo degli Incubatori Sociali per rafforzare l'economia solidale e influenzare lo sviluppo regionale, si presenta come il punto di originalità del ricerca.nismo de promoção do desenvolvimento sustentável. Nesse universo, as Incubador

Referencias

Adham, K. A., Muhamad, N. S., Said, M. F., Abdul Sarhadat, S., Ismail, H. A., & Mohd Nasir, M. F. A. (2018). Diagnosing Business Incubation for Social Purpose: A Viable System Model Approach. Systemic Practice and Action Research, 32(2), 219–238. https://doi.org/10.1007/s11213-018-9465-8
Addor, F., & Laricchia, C. R. (Org.). (2018). Incubadoras Tecnológicas de Economia Solidária: concepção, metodologia e avaliação. Editora UFRJ.
Alvarado, R. U. (2002). A Lei de Lotka na bibliometria brasileira. Ciência da informação, 31(2), 14-20. https://doi.org/10.1590/S0100-19652002000200002
Avdiushchenko, A., & Zając, P. (2019). Circular Economy Indicators as a Supporting Tool for European Regional Development Policies. Sustainability, 11(11), 3025–3047. https://doi.org/10.3390/su11113025
Ávila, R. C., & Campos, J. L. M. (2018). La economía social ante los paradigmas económicos emergentes: innovación social, economía colaborativa, economía circular, responsabilidad social empresarial, economía del bien común, empresa social y economía solidaria. CIRIEC-España, Revista de Economía Pública, Social y Cooperativa, 93, 5–50. https://doi.org/10.7203/ciriec-e.93.12901
Avila, R. C., & Bono, J. R. G. (2020). Transformative Policies for the Social and Solidarity Economy: The New Generation of Public Policies Fostering the Social Economy in Order to Achieve Sustainable Development Goals. The European and Spanish Cases. Sustainability, 12(10), 4059–4088. https://doi.org/10.3390/su12104059
Barbosa, R. N. C. (2007). A Economia Solidária como política pública: uma tendência de geração de renda e ressignificação do trabalho no Brasil. Editora Cortez.
Beran, V., Teichmann, M., Kuda, F., & Zdarilova, R. (2020). Dynamics of Regional Development in Regional and Municipal Economy. Sustainability, 12(21), 9234–9252. https://doi.org/10.3390/su12219234
Bernardino, S., & Santos, J. F. (2017). Local development through social and territorial innovation: An exploratory case study. CIRIEC-España, Revista de Economía Pública, Social y Cooperativa, 90, 159–188. https://doi.org/10.7203/ciriec-e.90.9155
Bibliometrix. (2021). [Software online]. Microsoft.
Burgos, B. M. V., Arévalo, S. O. Q., & Castro, W. R. A. (2020). Emprendimientos de economía solidaria en Colombia. Revista Venezolana de Gerencia, 25(3), 572–587. https://doi.org/10.37960/rvg.v25i3.33392
Calbino, D., & Paula, A. (2013). Economia Solidária: investigação sobre o estado da arte. Gestão Contemporânea, 10(14), 371-397. http://seer2.fapa.com.br/index.php/arquivo
CAPES, 2021. Portal de Periódicos CAPES/MEC. [Acesso em: maio e junho de 2021]. Disponível em: https://www-periodicos-capes-gov-br.ezl.periodicos.capes.gov.br/index.php?
Carvalho, L., Rambo, A. G., & Stoffel, J. (2020). Agroecological territorial dynamics: considerations about brazilian settlements. Revista Produção E Desenvolvimento, 6, 1-19. https://doi.org/10.32358/rpd.2020.v6.480
Castillo, A. E., Pacheco, G. V., & Manotas, E. N. (2018). Gestión del conocimiento y competitividad en las cooperativas con sección de ahorro y crédito. REVESCO. Revista de Estudios Cooperativos, 127, 90–115. https://doi.org/10.5209/reve.59769
Concolato, C. de O. F., Cunha, M. R., & Afonso, H. C. A. da G. (2020). Economic feasibility for photovoltaic solar energy projects: a systematic review. Revista Produção E Desenvolvimento, 6, 1-13. https://doi.org/10.32358/rpd.2020.v6.506
Coraggio, J. (2013), Las três corrientes de pensamiento y acción dentro del campo de la Economía Social y Solidaria. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, 15(2), 11-24. http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2013v15n2p11
Curi Filho, W. R., Alves, J. C. M., Silva, F. F., & Viana, F. D. F. (2015). Desenvolvimento local e economia solidária: a experiência da Incubadora de Empreendimentos Solidários da UFOP (INCOP). Experiência. Revista Científica de Extensão, 1(1). https://doi.org/10.5902/18277
Díez, A., Fontalvo, R., Márquez, J.F., Medina, M., y Jiménez, C. (2021). Globalización y migraciones internacionales: claves analíticas de los emigrantes colombianos retornados a la región Caribe. Puerto Colombia, Colombia: Sello Editorial Universidad del Atlántico. http://investigaciones.uniatlantico.edu.co/omp/index.php/catalog/catalog/book/164
Diez, A., Romero, J. M. y Márquez, J. F. (2021). El retorno en los movimientos migratorios. Configuración espacial y selectividad migratoria en el departamento del Atlántico (Colombia). Tabula Rasa, 39, 157-190. https://doi.org/10.25058/20112742.n39.08
Egea Jiménez, C., Díez Jiménez, A., y Márquez Guerra, J. F. (2022). El retorno en Colombia desde sus dimensiones de análisis. Una revisión sistemática de la literatura. Revista de Estudios Sociales, (81), 75-92. https://doi.org/10.7440/res81.2022.05
Ferrari Mango, C. (2020). El entramado de actores entre Política Social y Economía Social en Argentina: Una mirada relacional local. Collectivus, Revista de Ciências Sociales, 7(1), 121-136. https://doi.org/10.15648/Collectivus.vol7num1.2020.2556
Ferreira, A. G. C. (2010). Bibliometria na avaliação de periódicos científicos. DataGramaZero-Revista de Ciência da Informação, 11(3), 1-9. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/320812351_Bibliometria_na_avaliacao_de_periodicos_cientificos.
Fici, A. (2015). Tendencias y perspectivas del derecho cooperativo en el contexto global y la supervisión como oportunidad para el sector de la economía solidaria. Boletín de La Asociación Internacional de Derecho Cooperativo, 49, 223–249. https://doi.org/10.18543/baidc-49-2015pp223-249
Forliano, C., De Bernardi, P., & Yahiauoi, D. (2021). Entrepreneurial universities: A bibliometric analysis within the business and management domains. Technological Forecasting and Social Chnge, 165, 1-16. https://doi.org/10.1016/j.techfore.2020.120522
Gaiger, L. I. G. (2012). Por um olhar inverso: prismas e questões de pesquisa sobre a economia solidária. Sociedade e Estado, 27(2), 313–335. https://doi.org/10.1590/s0102-69922012000200006
Gaiger, L. I., & Kuyven, P. (2019). Dimensões e tendências da economia solidária no Brasil. Sociedade e Estado, 34(3), 811–834. https://doi.org/10.1590/s0102-6992-201934030008
Gálvez, F. (2016). Políticas públicas y desarrollo regional en la sociedad de la información: tendencias y retos. Revista de Estudios Para El Desarrollo Social de La Comunicación, 12, 318–343. https://doi.org/10.15213/redes.n12.p318
Gattai, S., & Bernardes, M. A. (2013). Papel e responsabilidades da universidade no processo socioeducativo presente em movimentos de economia solidária. Revista de Administração Mackenzie, 14(6), 50–81. https://doi.org/10.1590/s1678-69712013000600004
Gonçalves, C. (2017). Regiões, cidades e comunidades resilientes: novos princípios de desenvolvimento. Urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 9(2), 371–385. https://doi.org/10.1590/2175-3369.009.002.ao15
Guedes, V. L. S, & Borschiver, S. (2005). Bibliometria: uma ferramenta estatísitca para a gestão da informação e do conhecimento, em sistemas de informação, de comunicação e de avaliação científica e tecnológica. Encontro Nacional de Ciência da Informação, 6(1), 1-18. Disponível em: http://www.cinformanteriores.ufba.br/vi_anais/docs/VaniaLSGuedes.pdf
Guerra, P. (2007). Cómo denominar a las experiencias económicas solidarias basadas en el trabajo? Diálogo entre académicos latinoamericanos acerca de la polémica conceptual. Otra Economía, 1(1), 1-7. http://revistas.unisinos.br/index.php/otraeconomia/article/view/1056
Gutberlet, J., Besen, G. R., & Morais, L. (2020). Participatory solid waste governance and the role of social and solidarity economy: experiences from São Paulo, Brazil. Detritus, 13, 167–180. https://doi.org/10.31025/2611-4135/2020.14024
Gutiérrez-Salcedo, M., Martínez, M. Á., Moral-Munoz, J. A., Herrera-Viedma, E. & Cobo, M. J. (2018). Some bibliometric procedures for analyzing and evaluating research fields. Applied Intelligence, 48(5), 1275-1287. https://doi.org/10.1007/s10489-017-1105-y
Harmaakorpi, V., & Rinkinen, S. (2020). Regional development platforms as incubators of business ecosystems. Case study: The Lahti urban region, Finland. Growth and Change, 51(2), 626–645. https://doi.org/10.1111/grow.12375
Helman, J. (2020). Analysis of the Local Innovation and Entrepreneurial System Structure Towards the ‘Wrocław Innovation Ecosystem’ Concept Development. Sustainability, 12(23), 10086–10103. https://doi.org/10.3390/su122310086
Imaz, O., & Eizagirre, A. (2020). Responsible Innovation for Sustainable Development Goals in Business: An Agenda for Cooperative Firms. Sustainability, 12(17), 6948–6968. https://doi.org/10.3390/su12176948
Klein, J. L., Tremblay, D. G., Sauvage, L., Ghaffari, L., & Angulo, W. (2019). Cultural Initiatives and Local Development: A Basis for Inclusive Neighborhood Revitalization. Urban Planning, 4(1), 78–90. https://doi.org/10.17645/up.v4i1.1658
Kłobukowski, P., & Pasieczny, J. (2020). Impact of Resources on the Development of Local Entrepreneurship in Industry 4.0. Sustainability, 12(24), 10272–10297. https://doi.org/10.3390/su122410272
Knill, C & Tosun, J. (2020). Public Policy: a new introduction. Bloomsbury, 292p.
Kogut-Jaworska, M., & Ociepa-Kicińska, E. (2020). Smart Specialisation as a Strategy for Implementing the Regional Innovation Development Policy — Poland Case Study. Sustainability, 12(19), 7986–8007. https://doi.org/10.3390/su12197986
Lange, B., & Schmidt, S. (2020). Entrepreneurial ecosystems as a bridging concept? A conceptual contribution to the debate on entrepreneurship and regional development. Growth and Change, 00, 1–18. https://doi.org/10.1111/grow.12409
Lester, J. P.; Wilds, L. J. (1990). The utilization of public policy analysis: A conceptual framework. Evaluation and Program Planning, 13(3), 313–319. https://doi.org/10.1016/0149-7189(90)90062-2
Lestrade, S. (2017). Unzipping Zipf’s Law. Plos One, 12(8), e0181987. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0181987
Li, G., Wu, J., Li, J., Wang, K., & YE, T. (2018). Service Popularity-based smart resources partitioning for fog computing-enabled industrial internet of things. IEEE Transactions on Industrial Informatics, 14(10), 4702-4711. https://doi.org/10.1109/TII.2018.2845844
Lima Junior, I. M., Rodrigues, A. R. P., Mello, J. A. V. B. (2021). Riscos, complexidade e incertezas na cadeia de suprimentos: uma revisão sistemática de literatura. P2P E INOVAÇÃO, 7(2), 277–294. https://doi.org/10.21721/p2p.2021v7n2.p277-294
Lima, J. C., & Souza, A. R. D. (2014). Trabalho, solidariedade social e economia solidária. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, 93, 139–168. https://doi.org/10.1590/s0102-64452014000300006
Lima, P. H. S., Sousa, M. L. M., Alves, L. S. F., & Almeida, J. E. (2021). Public policies on water resources for the brazilian northeastern semiarid region. Revista Produção E Desenvolvimento, 7, 1-14. https://doi.org/10.32358/rpd.2021.v7.515
Maciel, J. P., & Ferrarini, A. V. (2020). Eficiência sistêmica em empreendimentos econômicos solidários de reciclagem: construção e aplicação de indicadores multidimensionais. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 54, 102-124. https://doi.org/10.5380/dma.v54i0.69164
Martins, J. T., & Ling, S. (2017). Local enterprise partnerships: Socialisation practices enabling business collective action in regional knowledge networks. Knowledge and Process Management, 24(4), 269–276. https://doi.org/10.1002/kpm.1546
Matarazzo, G., & Boeira, S. L. (2016). Incubação de cooperativas populares: representações sociais e tensões entre racionalidades. Cadernos EBAPE.BR, 14(1), 207-227. https://doi.org/10.1590/1679-395131514
Mayoral, M. M. J., & Martínez, F. R. M. (2018). Desarrollo local sostenible, responsabilidad social corporativa y emprendimiento social. Equidad y Desarrollo, (31), 27–46. https://doi.org/10.19052/ed.4375
Mendonça, R. M. L. O., De Mello, E. M. R., Nery, S. D. O., & Filho, E. R. (2020). The Community Gardening Project in Belo Horizonte: practicing systemic networks, agroecology and solidarity economy. Strategic Design Research Journal, 13(2), 213–233. https://doi.org/10.4013/sdrj.2020.132.07
Meyer, C. (2020). Reinforcing comparative monitoring of Smart Specialisation performance across European regions: transnational RIS3 observatory model as a tool for Smart Specialisation governance. Entrepreneurship and Sustainability Issues, 8(2), 1386–1400. https://doi.org/10.9770/jesi.2020.8.2(81)
Mishenin, Y., Koblianska, I., Medvid, V., & Maistrenko, Y. (2018). Sustainable regional development policy formation: role of industrial ecology and logistics. Entrepreneurship and Sustainability Issues, 6(1), 329–341. https://doi.org/10.9770/jesi.2018.6.1(20)
Morais, L. P., & Bacic, M. J. (2020). Social and Solidarity Economy and the need for its entrepreneuring ecosystem: current challenges in Brazil. CIRIEC-España, Revista de Economía Pública, Social y Cooperativa, 98, 5–30. https://doi.org/10.7203/ciriec-e.98.14138
Nagem, F. A., & Silva, S. P. (2013). Institucionalização e execução das políticas públicas de economia solidária no Brasil. Revista de Sociologia e Política, 21(46), 159–175. https://doi.org/10.1590/s0104-44782013000200010
Oliveira, B. C. S. C. M. D., & Santos, L. M. L. D. (2015). Compras públicas como política para o desenvolvimento sustentável. Revista de Administração Pública, 49(1), 189–206. https://doi.org/10.1590/0034-76121833
Oliveira, M., & Zanin, M. (2011). Economia Solidária: Uma temática em evolução nas dissertações e teses brasileiras. Revista Brasileira de Ciência, Tecnologia e Sociedade, 2(1), 181-193. https://www.revistabrasileiradects.ufscar.br/index.php/cts/article/view/121
Olsson, A. R., Westlund, H., & Larsson, J. P. (2020). Entrepreneurial Governance and Local Growth. Sustainability, 12(9), 3857–3873. https://doi.org/10.3390/su12093857
Panciroli, A., Santangelo, A., & Tondelli, S. (2020). Mapping RRI Dimensions and Sustainability into Regional Development Policies and Urban Planning Instruments. Sustainability, 12(14), 5675–5703. https://doi.org/10.3390/su12145675
Pardo, E. C. (2020). MonedaPAR: una alternativa argentina para la economía social y solidaria. REVESCO. Revista de Estudios Cooperativos, 135, e69177. https://doi.org/10.5209/reve.69177
Peters, B. G. (2015). Advanced Introduction to Public Policy. Massachusetts-USA, Edward Elgar.
Porchmann, M. (2004). Economia solidária no Brasil: possibilidades e limites. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA - IPEA, 24, 23-34. http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/5249/1/bmt_n.24_economiasoli.pdf
Prim, M. A., Valdati, A. B., Dandolini, G. A., & Alves, J. B. M. (2017, September). A CONTRIBUIÇÃO DA VISÃO SISTÊMICA PARA O DESENVOLVIMENTO DAS INCUBADORAS SOCIAIS. VII Congresso Internacional de Conhecimento e Inovação, Foz do Iguaçu, Brazil. 1-15. https://proceeding.ciki.ufsc.br/index.php/ciki/article/view/234/93
Radovanović, T., Grandov, Z., & Filijović, M. (2020). THE ESSENCE AND IMPLICATIONS OF INTEGRATED LOCAL DEVELOPMENT PLANNING. EMC Review - Časopis Za Ekonomiju - APEIRON, 18(2), 248–263. https://doi.org/10.7251/emc1902248r
Rodrigues, A. S. M., Mello, J. A. V. B., & da Gama Afonso, H. C. A. (2019). Desenvolvimiento estimulado por empreendedorismo em incubadoras de empresa: Uma revisão sistemática. MÉI: Métodos de Información, 10(19), 1-27. https://doi.org/10.5557/iimei10-n19-001027
Romero, L., & Portillo-Salido, E. (2019). Trends in Sigma-1 receptor research: a 25-year bibliometric analysis. Frontiers in Pharmacology, 10, 564. https://doi.org/10.3389/fphar.2019.00564
RStudio. (2021). [Softaware de computador]. Microsoft. https://www.rstudio.com/
Saguier, M., & Brent, Z. (2017). Social and Solidarity Economy in South American regional governance. Global Social Policy, 17(3), 259–278. https://doi.org/10.1177/1468018116686921
Santos, C. V. (2018). Evolução da produção científica em Economia Solidária: o cenário brasileiro. Revista ORG & DEMO, 19(1), 97-112. https://doi.org/10.36311/1519-0110.2018.v19n1.07.p97
Schwab, F., Calle-Collado, N., & Muñoz, R. (2020). Economía social y solidaria y agroecología en cooperativas de agricultura familiar en Brasil como forma de desarrollo de una agricultura sostenible. CIRIEC-España, Revista de Economía Pública, Social y Cooperativa, 98, 189–211. https://doi.org/10.7203/ciriec-e.98.14161
SCOPUS, 2021. Portal Scopus Preview (Elsevier). Acesso a base Scopus. Disponível em: https://www.scopus.com/home.uri
Serra, F. A. R. (2015). Editorial comment constructing a literature review. Revista Ibero-americana de Estratégia, 14(3), 1-5. https://doi.org/10.5585/ijsm.v14i3.2271
Serra, F. A. R., Ferreira, M. P., De Camargo Guerrazzi, L. A., & SCACIOTTA, V. V. (2018). Doing Bibliometric Reviews for the Iberoamerican Journal of Strategic Management. Iberoamerican Journal of Strategic Management, 17(3), 1-16. http://dx.doi.org/10.5585/ijsm.v17i3.2713
Silveira, M. A. P., Mourão, P. J. R., & Rodrigues, T. H. P. T. (2020). How Economic Development Influences Entrepreneurial Networks-Dissecting Reasons for the Birth, Development and Death of Local Development’s Agents. Sustainability, 12(21), 8885–8906. https://doi.org/10.3390/su12218885
Singer, P. (2018). Ensaios sobre Economia Solidária. Edições Almedina.
Sordan, J. E., Pimenta, M. L., Oprime, P. C., Rodrigues, Y. T., & Marinho, C. A. (2021). Collaborative robotics: a literature overview from the perspective of production management. Revista Produção E Desenvolvimento, 7, 1-11. https://doi.org/10.32358/rpd.2021.v7.516
Souza, C. (2006). Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, 16, 20–45. https://doi.org/10.1590/s1517-45222006000200003
Souza, A. R., & Singer, P. (Org.). (2000). A Economia Solidária no Brasil: a autogestão como resposta ao desemprego. Editora Contexto.
Stanowicka, A. (2020). The image of a city in selected theories of regional development. Ekonomia i Prawo, 19(1), 135–148. https://doi.org/10.12775/eip.2020.010
Telles, L., Servós, C. M., & Bittencourt, J. V. M. (2020). Las perspectivas Latinoamericana y Europea de la Economía Solidaria. REVESCO. Revista de Estudios Cooperativos, 134(e69171). https://doi.org/10.5209/reve.69171
Vanti, N. A. P. Da bibliometria à webometria: uma exploração conceitual dos mecanismos utilizados para medir o registro da informação e a difusão do conhecimento. Ciência da Informação, 31(2), 152-162. https://doi.org/10.1590/S0100-19652002000200016
Vergara-Romero, A., & Sorhegui-Ortega, R. (2020). Local development factors from the organizational management perspective. Revista Amazonia Investiga, 9(33), 46–50. https://doi.org/10.34069/ai/2020.33.09.5
Villalba-Eguiluz, U., Arcos-Alonso, A., Pérez de Mendiguren, J. C., & Urretabizkaia, L. (2020). Social and Solidarity Economy in Ecuador: Fostering an Alternative Development Model?. Sustainability, 12(17), 6876–6893. https://doi.org/10.3390/su12176876
Villalba-Eguiluz, U., Egia-Olaizola, A., & Pérez de Mendiguren, J. C. (2020). Convergences between the Social and Solidarity Economy and Sustainable Development Goals: Case Study in the Basque Country. Sustainability, 12(13), 5435–5454. https://doi.org/10.3390/su12135435
Vitcel, M. S., Teixeira, E. B., Lemes, F. R. M., & Grzybovski, D. (2010). Contribuições da Economia Solidária para o Desenvolvimento Sustentável: o Caso da Incubadora Itecsol da Unijui. Desenvolvimento em Questão, 8(16), 45-71. https://doi.org/10.21527/2237-6453.2010.16.45-71
WEB OF SCIENCE, 2021. Portal Clarivate Analytics. Acesso a base Web of Science. Disponível em: https://clarivate.com/products/web-of-science.
Yeung, A., Goto, T. K., & Leung, W. K. (2017). The changing landscape of neuroscience research, 2006-2015: a bibliometric study. Frontiners in Neuroscience, 11(120), 1-10. https://doi.org/10.3389/fnins.2017.00120
Zupic, I., & Čater, T. (2015). Bibliometric methods in management and organization. Organizational Research Methods, 18(3), 429-472. https://doi.org/10.1177%2F1094428114562629
Cómo citar
Do Amaral, R. M., & Mello, J. A. V. B. (2022). Economía solidaria, Incubadoras Sociales y desarrollo regional: un estudio bibliométrico. Collectivus, Revista de Ciencias Sociales, 9(1), 171-230. https://doi.org/10.15648/Collectivus.vol9num1.2022.3352

Visitas al artículo

187

Métricas Dimensions

Métricas PlumX

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.











Economia solidária, incubadoras sociais e desenvolvimento regional: um estudo bibliométrico1

Solidarity economy, social incubators and regional development: a bibliometric study

Rebeca Martins do Amaral*

https://orcid.org/0000-0002-4434-5831

José André Villas Bôas Mello**

https://orcid.org/0000-0002-0628-9664







1 O presente trabalho foi realizado com o apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Brasil (CAPES) - Código de Financiamento 001.

* Licenciada en Administración. Centro Federal de Educación Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, Programa de Postgrado en Desarrollo Regional y Sistemas Productivos. Nova Iguaçu, Rio de Janeiro (26041-271). Correo electrónico: rebeca.Mest21@gmail.com

** Doctor en Ingeniería de Transportes. Centro Federal de Educación Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, Programa de Postgrado en Desarrollo Regional y Sistemas Productivos. Nova Iguaçu, Rio de Janeiro (26041-271). Correo electrónico: joseavbm@yahoo.com.br





Resumo

Ao longo do tempo, emergiu-se diversos estudos na temática de economia solidária, destacando sua relevância enquanto mecanismo de promoção ao desenvolvimento sustentável. Neste universo, as Incubadoras Sociais são consideradas entidades que detém do suporte técnico-metodológico adequado, tanto para auxiliar empreendimentos solidários que buscam valorizar aspectos locais, como possuem uma instrumentalidade capaz de apoiar na formulação e controle de políticas públicas que mensuram o desenvolvimento. Dessa forma, a inter-relação existente e de potencial produtivo entre a economia solidária e as Incubadoras Sociais pode estimular o desenvolvimento regional a partir de políticas públicas. Neste artigo, busca-se compreender como têm evoluído as pesquisas sobre Incubadoras Sociais enquanto instrumento corroborativo ao fomento de políticas públicas em desenvolvimento regional, no contexto da economia solidária. Com a metodologia pautada a partir de uma análise bibliométrica de artigos científicos devidamente selecionados nas bases Web of Science e Scopus, encontrou-se um arcabouço científico que expressa elementos interligados a temática no que tange a sustentabilidade, sistemas de informação para a criação de indicadores políticos coerentes à realidade local e exemplos de iniciativas solidárias que corroboram o desenvolvimento regional e nacional. Concluiu-se que há crescente quantitativo de estudos com potencialidade de contribuição para com esta interseção proposta em prol do desenvolvimento, mostrando que o suporte e tecnologia de programas de extensão que envolvem Incubadoras Sociais, aliada a economia solidária, podem estimular o desenvolvimento regional e fomentar iniciativas públicas rumo ao um progresso nacional. A proposição de um estudo bibliométrico para analisar os principais elementos presentes na literatura que abrangem a conectividade das áreas escolhidas, levando em conta a contribuição das Incubadoras Sociais tanto para fortalecer a economia solidária como no papel de influenciar o desenvolvimento regional, apresenta-se como o ponto de originalidade da pesquisa.

Palavras-chave: Economia solidária; Incubadoras Sociais; Desenvolvimento regional; Bibliometria.







Abstract

Over time, many studies have emerged on the solidarity economy theme, highlighting its relevance as a mechanism for promoting sustainable development. In this scenario, Social Incubators are considered institutions that provide appropriate technical and methodological support, both to assist solidarity enterprises that seek to value local aspects, and having a capable instrumentality of supporting the formulation and supervision of public policies that measure development. As a result, the existing interrelation and productive potential between the solidarity economy and the Social Incubators can stimulate regional development through public policies. This study seeks to understand how scientific research on Social Incubators has been evolving as a tool to corroborate the promotion of public policies on regional development in the solidarity economy context. With the methodology based on bibliometric analysis' properly selected articles from the Web of Science and Scopus bases, a scientific framework was found which expresses elements linked to the theme with regards to sustainability, information systems to the coherent policy indicators creation to the local reality and cases of solidarity initiatives that corroborate regional and national development. It was concluded that there is a growing number of studies with the potential to contribute to this proposed intersection in favor of development, showing that the support and technology of extension programs that involve Social Incubators, associated with solidarity economy, can stimulate regional development and foster public initiatives towards national progress. The proposition of a bibliometric study to analyze the main elements present in the literature that encompass the connectivity of the chosen areas, bearing in mind the contribution of Social Incubators both to strengthen the solidarity economy and in the role of influencing regional development, presents itself as the research’s point of originality.

Keywords: Solidarity economy; Social Incubators; Regional development; Bibliometrics.







Economía solidaria, Incubadoras Sociales y desarrollo regional: un estudio bibliométrico

Resumen

Con el paso del tiempo han surgido diversos estudios sobre el tema de la economía solidaria, destacando su relevancia como mecanismo de promoción del desarrollo sostenible. En este universo, las Incubadoras Sociales son consideradas entidades que cuentan con el apoyo técnico y metodológico adecuado, para asistir a los emprendimientos solidarios que buscan valorizar los aspectos locales, apoyar la formulación y el monitoreo de las políticas públicas que miden el desarrollo. De este modo, la interrelación y el potencial productivo entre la economía solidaria y las Incubadoras Sociales pueden estimular el desarrollo regional a través de las políticas públicas. Este artículo trata de comprender cómo ha evolucionado la investigación sobre las Incubadoras Sociales como instrumento de corroboración para la promoción de políticas públicas de desarrollo regional en el contexto de la economía solidaria. Con la metodología basada en un análisis bibliométrico de artículos científicos debidamente seleccionados de las bases Web of Science y Scopus, se encontró un marco científico que expresa elementos vinculados a la sostenibilidad, sistemas de información para la creación de indicadores políticos coherentes con la realidad local y ejemplos de iniciativas solidarias que corroboran el desarrollo regional y nacional. Se concluyó que existe un número creciente de estudios que contribuyen a esta propuesta de intersección a favor del desarrollo, mostrando que el apoyo y la tecnología de los programas que involucran a las Incubadoras Sociales, aliadas a la economía solidaria, pueden estimular el desarrollo regional y fomentar las iniciativas públicas hacia el progreso nacional. La propuesta de un estudio bibliométrico para analizar los principales elementos presentes en la literatura que engloba la conectividad de las áreas elegidas, teniendo en cuenta la contribución de las Incubadoras Sociales para fortalecer la economía solidaria e influir en el desarrollo regional, se presenta como el punto de originalidad de la investigación.

Palabras clave: Economía solidaria; Incubadoras Sociales; Desarrollo regional; Bibliometría.


Économie solidaire, Incubateurs Sociaux et développement régional: une étude bibliométrique

Résumé

Avec le temps, diverses études ont émergé sur le thème de l'économie solidaire, soulignant sa pertinence comme mécanisme de promotion du développement durable. Dans cet univers, les Incubateurs Sociaux sont considérés comme des entités qui disposent du soutien technique et méthodologique approprié, tant pour assister les entreprises solidaires qui cherchent à valoriser les aspects locaux, que pour disposer d'une instrumentalité capable de soutenir la formulation et le contrôle des politiques publiques qui mesurent le développement. De cette manière, l'interrelation et le potentiel productif existant entre l'économie solidaire et les Incubateurs Sociaux peuvent stimuler le développement régional au travers des politiques publiques. Cet article vise à comprendre comment la recherche sur les Incubateurs Sociaux a évolué en tant qu'instrument de corroboration pour la promotion des politiques publiques de développement régional dans le contexte de l'économie solidaire. Avec la méthodologie basée sur une analyse bibliométrique d'articles scientifiques dûment sélectionnés dans les bases Web of Science et Scopus, on a constaté un cadre scientifique qui exprime des éléments liés à la soutenabilité, des systèmes d'information pour la création d'indicateurs politiques cohérents avec la réalité locale et des exemples d'initiatives solidaires qui corroborent le développement régional et national. Il a été conclu qu'il existe un nombre croissant d'études qui contribuent à cette intersection proposée en faveur du développement, montrant que le soutien et la technologie des programmes d'extension qui impliquent les Incubateurs Sociaux, alliés à l'économie solidaire, peuvent stimuler le développement régional et promouvoir les initiatives publiques vers le progrès national. La proposition d'une étude bibliométrique pour analyser les principaux éléments présents dans la littérature qui englobent la connectivité des domaines choisis, en tenant compte de la contribution des Incubateurs Sociaux pour renforcer l'économie solidaire et influencer le développement régional, se présente comme le point d'originalité de la recherche.

Mots-clés: Économie solidaire; Incubateurs Sociaux; Développement régional; Bibliométrie.













1. Introdução

Os estudos sobre economia solidária se encontram em ascensão nos últimos anos, sendo foco de produções científicas sobre sua conceituação, princípios e contribuições corroboradas a uma população (Oliveira & Zanin, 2011; Santos, 2018). Neste contexto, é notória tal diversidade existente de ações e empreendimentos que compõem este modo de produção cooperativa e colaborativa, a fim de reestabelecer determinados grupos de indivíduos de forma conjunta e digna na sociedade (Calbino e Paula, 2013; Carvalho et al., 2020). Contudo, Porchmann (2004) considera que ainda há muito a se debater sobre a expansão do tema e seus potenciais de desenvolvimento dentro do setor tradicional da economia, de forma a reconhecer sua capacidade de transformação socioeconômica de agrupamentos desfavorecidos.

As Incubadoras Sociais surgem com o objetivo de proporcionar inovação social por meio de iniciativas de suporte, apoio e monitoramento, garantindo o alcance de sua plena autonomia frente ao modelo tradicional econômico e, consequentemente, beneficiando o desenvolvimento territorial (Prim et al., 2017). Estudos indicam que essas iniciativas, por vezes envolvendo setores públicos e privados, ainda estão em prospecção e constante adaptação para compreender melhor a realidade das Incubadoras Sociais para auxiliá-las dentro dos seus princípios (Matarazzo & Boeira, 2016; Rodrigues, Mello & da Gama Afonso, 2019).

Para Vitcel et al. (2010), a relação entre economia solidária e Incubadoras Sociais possibilita a mobilização de agentes públicos e privados em prol de políticas públicas de desenvolvimento regional. Em concordância, Curi Filho et al. (2015) explicam que uma compreensão mais ampla do papel dos setores para as comunidades viabiliza a criação de estratégias e indicadores sociais, ambientais e econômicos.

Com efeito, medir a produtividade de pesquisas científicas é extremamente relevante no processo de reconhecimento à fidedignidade dos dados levantados e seus pesquisadores (Serra, 2015; Gutiérrez-Salcedo et al., 2018; Concolato et al., 2020; Lima Junior et al., 2021; Sordan et al., 2021). Uma análise pautada nas leis da bibliometria compreende um estudo quantitativo que agrega o potencial de estudos qualitativos, ao trazer proposições quanto à qualidade dos periódicos, produtividade dos autores e frequência de palavras mais relacionadas às tendências do tema (Gutiérrez-Salcedo et al., 2018; Ferreira, 2010; Serra et al., 2018).

Portanto, o presente artigo tem por objetivo responder a problemática de como as Incubadoras Sociais dentro da Economia Solidária contribuem para o fomento de políticas públicas de desenvolvimento local e regional. Nesse aspecto, uma revisão de literatura pautada em um estudo bibliométrico mostrou-se um instrumental de robustez capaz de evidenciar distintos elementos contributivos dentro da proposta escolhida e subsidiando a elaboração de ferramentas mais adequadas de compreensão das produções em prospecção.

Quanto à organização do presente estudo, o mesmo é dividido em quatro etapas. A primeira contempla uma breve revisão de literatura que inclui os conceitos e relações entre economia solidária, Incubadoras Sociais, políticas públicas e desenvolvimento regional, e leis bibliométricas. Na segunda, apresenta-se a metodologia baseada na análise bibliométrica. Os resultados obtidos pela bibliometria, as discussões que abordam as potencialidades e limitações compõem a terceira etapa; e, na última etapa são apresentadas as conclusões e contribuições do cruzamento bibliométrico.

2. Revisão de Literatura

2.1. Economia Solidária

O conceito de economia solidária tem evoluído nas últimas décadas, principalmente na Europa e América Latina (Telles et al., 2020). Dentre as denominações comuns, diversos autores a expressam na literatura como ‘terceiro setor’, ‘economia social’ ou ‘popular’ ou ‘colaborativa’, ‘socioeconomia solidária’, ‘economia social e solidária’, entre outros (Ávilla & Campos, 2018; Coraggio, 2013; Guerra, 2007; Telles et al., 2020).

Sob a perspectiva de Barbosa (2007), a economia solidária representaria, dentre os movimento sociais existentes, uma maneira de acumular capital em virtude da desvalorização trabalhista, ressaltando uma cultura de auto-emprego e não podendo ser tratada como modelo independente ao capitalismo. Contudo, Singer e Souza (2000) defendem que seu propósito transpassa esta noção, pois, em diversos pa´íses, ela se mostra como elemento norteador à luta consistente de encontro ao modelo econômico vigente, juntamente com as ações sindicais e político-sociais.

Na visão de Castilho et al. (2018) e Singer (2018), a economia solidária se fortalece em um contexto de rupturas entre setor empresarial e estatal pós-revolução industrial, ressaltando pontos de vulnerabilidades quanto ao atendimento das necessidades da sociedade e ressurgindo para solucionar as circunstâncias inerentes ao capital que provocaram altos níveis de desemprego, encerramento de atividades organizacionais, aumento da informalidade e marginalização.

Dessa forma, a economia solidária possui um escopo alternativo, sendo uma parte vital do dinamismo socioeconômico, representada em sua diversidade de ações, motivações e empirismo (Maciel & Ferrarini, 2020; Telles et al, 2020; Burgos et al., 2020; Castilho et al., 2018; Gaiger & Kuyven, 2019). Isso pode ser visto através da variedade de empreendimentos deste cunho, desde cooperativas de produção e consumo a clubes de troca e associações agrícolas e de artesanato (Singer, 2018).

De acordo com Moraes e Bacic (2020), em concordância com Saguier e Brent (2017), a Economia Solidária é um modelo inovador que promove a inclusão social, condizente com o paradigma econômico voltado para o desenvolvimento sustentável. Outros autores complementam que, além de representar uma forma de conectar aspectos socioambientais e político-culturais, esse modelo é capaz de intermediar as relações entre o setor terciário, empresariais e aparelho estatal (Maciel & Ferrarini, 2020; Mendonça et al., 2020; Moraes & Bacic, 2020).

Singer (2018) afirma que a existência da economia solidária cumpre um papel econômico, político e social mais responsável na realidade social. A partir de sua cultura orgânica e autogerida norteada pela igualdade, justiça, colaboração, solidarização, autogestão e democracia, ela reconhece a identidade coletiva local e proporciona novas abordagens de produção e consumo (Avdiushchenko & Zając, 2019; Ávila & Campos, 2018; Fici, 2015; Gaiger, 2012; Lima & Souza, 2014; Mendonça et al., 2020; Pardo, 2020).

2.2. Incubadoras Sociais

As Incubadoras Sociais podem ser definidas como entidades que compõem programas de extensão pública ou privada e se utilizam soluções tecnológicas de aporte teórico-metodológico consolidados em seu papel de suporte e transferência de conhecimento (Gattai & Bernardes, 2013; Helman, 2020; Kogut-Jaworska & Ociepa-Kicinska, 2020; Lange & Schmidt, 2020). Dentre seus fatores de relevância, Adham et al. (2018) citam que as Incubadoras Sociais visam promover o crescimento global-econômico de uma localidade por meio de estímulo empreendedor a uma cultura de inovação social.

Addor e Laricchia (2018) destacam que as incubadoras desta vertente buscam fortalecer grupos em fase de estruturação, dando as ferramentas necessárias para seu crescimento saudável e permitindo que os empreendimentos possam ser autônomos, contribuindo para o progresso territorial. Ao apoiar a fundamentação e destes grupos universitários, auxilia-se o nascimento de empreendimentos sociais, inclusive ligados à economia solidária. Portanto, o conceito abrange tanto o aspecto tradicional de tecnologias de inovação e administrativo-financeiras como também engloba a assessoria de empreendimentos pós-incubação.

Segundo Lange e Schmidt (2020), em conformidade com Gattai e Bernardes (2013), o papel socioeducativo das Incubadoras Sociais é inegável, já que estas buscam incentivar a problematização de processos sociais, econômicos, políticos, ambientais e culturais por meio do diálogo, dando oportunidade à competitividade saudável entre os empreendimentos, viabilizada em um ambiente de discussões multidisciplinares, e podendo fomentar a colaboração entre os setores privado e público. (Harmaakorpi & Rinkinen, 2020; Diez, et al., 2021).

Nessa linha, Addor e Laricchia (2018) ressaltam que as experiências com incubação de empreendimentos econômicos solidários, por exemplo, conseguem demonstrar de forma efetiva a relevância da indissociabilidade da extensão universitária com o ensino e pesquisa, tradicionalmente fundamentais para a atuação educacional e científica eficaz.

Dessa forma, estas entidades seriam capazes de fomentar políticas públicas nestes setores que ressaltassem o valor dos empreendimentos sociais para o desenvolvimento regional e nacional, e que transmitessem a singularidade destes modelos para complementar a formação de profissionais e cidadãos (Barbosa, 2007; Addor & Laricchia, 2018; Diez, Romero, y Márquez, 2021).

2.3. Políticas públicas e desenvolvimento regional

Definida como um conjunto de atividades engajadas em prol de transformações na economia e sociedade, a política pública está presente na vida cotidiana (Knill & Tosun, 2020; Peters, 2015), cabendo aos governos à decisão sobre “escolher o que fazer ou não fazer” (Dye, 1984 apud Souza (2006)). Podem existir incongruências quanto aos valores e ações advindas das políticas públicas. Todavia, atualmente, elas estão sendo redirecionadas ao viés sustentável e de desenvolvimento territorial, adotado globalmente (Villalba-Eguiluz, Arcos-Alonso et al., 2020).

Consideradas enquanto propostas de ações governamentais em prol da satisfação das necessidades de uma sociedade, as políticas públicas estão passando por processos de reestruturação às novas realidades (Avila & Bono, 2020; Lester & Wilds, 1990; Nagem & Silva, 2013). Para Lima et al. (2021), as políticas públicas, quando sólidas, auxiliam na construção de novos mercados e oportunidades, estimulando a inclusão, distribuição adequada de renda e sustentabilidade, com vistas a sobrepujar as rupturas socioeconômicas existentes (Oliveira & Santos, 2015; Gálvez, 2016; Gutbert et al., 2020).

No contexto das políticas públicas sociais, é importante considerar alguns fatores para sua institucionalização mais efetiva. Primeiramente, Addor e Laricchia (2018) abordam a necessidade de mapeamento das disfunções encontradas que tal política visa atender, compreendendo melhor os pontos de demanda mais críticos. Segundo, entender a relação entre os atores regionais para o aprimoramento destas políticas é imprescindível, pois as suas interações poderão ressignificar identidades sociais e estratégias para atendimento dessas demandas (Ferrari Mango, 2020). Terceiro, é viável considerar a gestão participativa como parte do processo de monitoramento das políticas, pois, caso contrário, suas defasagens poderão resultar em redução do desenvolvimento, refletindo no senso de pertencimento político-territoriais unificadas à proporção nacional (Addor & Laricchia, 2018; Barbaria & Biderman, 2010; Ferrari Mango, 2020; Egea Jiménez, Díez Jiménez y Márquez Guerra, 2022).

Neste contexto de desenvolvimento regional, o mesmo não deve ser unicamente definido como sinônimo de progresso a partir da produtividade ou produto interno bruto elevados, mas sim deve incluir em sua essência de utilidade o bem-estar social perpetuado no território (Addor & Laricchia, 2018). Segundo Beran et al. (2020) e Imaz e Eizagirre (2020), o desenvolvimento regional possui um eixo frequentemente citado na literatura acadêmica voltado à sustentabilidade e, portanto, considerado o pilar dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), o que traz divisões entre os gestores quanto à restrição de recursos e arranjo urbano.

Focando em seu caráter endógeno, alguns autores acreditam que o desenvolvimento pode estar centrado em uma região com formação de redes de consumo e produção, representando um importante fator de impacto para a realidade local e indicador de progresso nacional (Kłobukowski e Pasieczny, 2020; Oliveira & Santos, 2015; Schwab et al., 2020; Vergara-Romerp e Sorhegui-Ortega, 2020).

Dessa forma, o desenvolvimento regional impulsiona inovação e sustentabilidade, sendo instrumento de fortalecimento identitário e proporcionando senso de responsabilidade e resiliência diante das adversidades territoriais, na perspectiva de diversos pesquisadores (Gonçalves, 2017; Meyer, 2020; Mayoral & Martínez, 2018; Olsson et al., 2020; Silveira et al., 2020; Radovanovic et al., 2020; Stanowicka, 2020; Villalba-Eguiluz, Egia-Olaizola, et al., 2020).

Neste aspecto, Mishenin et al. (2018) destacam que existem dificuldades de implementação de políticas nacionais de desenvolvimento em termos regionais, corroborando com Ferrari Mango (2020) quanto a necessidade de visibilidade de políticas regionais, advindas de alinhamentos às políticas nacionais. Apesar deste desafio, o desenvolvimento regional encoraja políticas públicas com uma cultura de interconectividade e fortalecimento local (Klein et al., 2019; Villalba-Eguiluz, Egia-Olaizola, et al., 2020).

Afinal, as políticas públicas são instrumentos de fomento aos empreendimentos e associações à promoção inovadora de redes em prol dos setores econômicos regionais (Bernardino & Santos, 2017; Martins & Ling, 2017; Panciroli et al., 2020).

2.4. Leis Bibliométricas

Para Guedes e Borschiver (2005), a bibliometria pode ser caracterizada como um campo metodológico que possui uma aglomeração de normas legais empíricas fundamentais ao embasamento teórico. Sendo um conjunto estatístico-metodológico utilizado para analisar o desempenho acadêmico de produções científicas e compreender o campo da ciência a ser explorado, Gutiérrez-Salcedo et al. (2018) propõem que a revisão bibliométrica tem por função avaliar a produtividade, qualidade e fatores de reconhecimento de um complexo de pesquisas dentro de um escopo da ciência, abordado os principais dados de indexação, citações, co-citações e referências mais presentes e influentes para este universo.

Conceitualizada entre as décadas de 1930 e 1970 por diversos autores, a ciência bibliométrica apresenta três leis fundamentais a serem seguidas, classificadas como Lei de Bradford - relativa à análise da relevância de periódicos e seu núcleo de artigos -, Lei de Lotka – relacionada à quantidade de publicações por pesquisador em qualquer área da ciência – e a Lei de Zipf – associada ao estudo da frequência média de palavras que aparecem em um determinado texto (Guedes & Borschiver, 2005; Vanti, 2002; Zupic & Čater, 2015).

Quanto à lei de Bradford, a maioria dos autores em suas metodologias apresenta um grau de assertividade quanto ao seu conceito, confirmando que esta lei é inicialmente aplicada na identificação de principais periódicos dentro de uma categoria específica ao considerar aspectos como impacto, índice de imediação e outros (Yeung & Leung, 2017). Assim, esta lei propõe uma modelagem de núcleos constantes de produtividade para identificar os periódicos de maior relevância relacionados ao campo pesquisado, na visão de Romero e Portillo-Salido (2019).

No que tange à lei de Lotka, Alvarado (2002) aborda sua capacidade avaliativa de produtividade de autores a partir de uma distribuição quadrada invertida de seu índice. Isto é, uma fórmula matemática de proporções invertidas ao quadrado torna preditiva a produtividade dos autores em suas contribuições aos periódicos, presentes na Bibliometria dos dados. Compreende-se, então, que uma quantidade ‘n’ de artigos publicados em um intervalo de tempo específico por um autor equivale a ‘1/n²’ da quantidade de produções de outros cientistas, segundo Guedes & Borschiver (2005).

Quanto à Lei de Zipf, Lestrade (2017) afirma que, apesar de ainda possuir um caráter superficial tratado por vasta literatura, sua importância em estudar os aspectos sintáticos e semânticos das palavras mais frequentes nos dados de um estudo é inegável. Sob a ótica de Li et al (2018), a observância da distribuição de frequência média de palavras dentro de um texto permite avaliar o campo de estudo e suas adjacências de forma eficiente ao longo do tempo.

Diante da interseção de conceitos sobre economia solidária, Incubadoras Sociais, políticas públicas e desenvolvimento regional, bem como a breve apresentação do método bibliométrico de análise, esta seção se encerra para dar continuidade às novas discussões que pretendem atender ao objetivo deste estudo.

3. Metodologia

Para viabilizar uma construção embasada nos preceitos bibliométricos, este estudo seguiu algumas etapas específicas, adaptada de Rodrigues, Mello e Afonso (2019):

  • Primeiro, a definição de uma pergunta norteadora para a busca eficiente dos dados;

  • Segundo, ampla busca em bases científicas no intervalo de 8 anos, seguindo o critério de volume indexado e reconhecimento internacional;

  • Terceiro, a escolha dos critérios inclusivos - acessibilidade, tipificação e idioma - e exclusivos - categorização ou área temática - das pesquisas ;

  • Quarto, verificação de produções elegíveis;

  • Quinto, análise das produções inclusas e;

  • Finaliza-se, principais resultados encontrados pelas ferramentas bibliométricas em conjunto das discussões teóricas nas temáticas abordadas, conclusões, sugestões e limitações do estudo.

O levantamento dos dados presentes nesta pesquisa se deu entre maio e junho de 2021, compondo as seguintes fases, adaptadas da pesquisa de Rodrigues, Mello e da Gama Afonso (2019).

A análise dos dados baseou-se em verticalização e horizontalização textual, comparada ao resultado da base bibliométrica gerada, e considerou os principais aspectos das leis metodológicas para guiar a identificação dos elementos presente na literatura que se adequam a proposta de estudo, adaptadas de Forliano, De Bernardi e Yahiaoui (2021).


3.1. Fase 1ª: A pergunta norteadora

Para nortear a temática do estudo, a pergunta formulada para ampliar a busca nas bases científicas foi: “No contexto da economia solidária, como têm evoluído as pesquisas sobre Incubadoras Sociais enquanto instrumento corroborativo ao fomento de políticas públicas em desenvolvimento regional?”.

Por conseguinte, as palavras-chave foram alinhadas, resultando na seleção: “solidarity economy” OR “social and solidarity economy” AND “social incubators” AND “public policy” OR “local development” OR “regional development”.

Enquanto na base Web of Science, a expressão em sua totalidade teve resultados satisfatórios, na Scopus não se encontraram dados suficientes para a análise. Dessa forma, a expressão foi reformulada, culminando na utilização de, somente, as palavras que trouxessem resultados mais aproximados da expressão aplicada anteriormente, que foram: “solidarity economy” OR “social incubators”.

3.2. Fase 2ª: As bases pesquisadas

A escolha das bases se deu com base em dois critérios: i) volume de material científico indexado e ii) reconhecimento global. Assim, os devidos dados foram extraídos, respectivamente, das bases Web of Science (Principal Coleção) e Scopus (Elsevier), sendo ambos dentro do intervalo dos anos de 2012 a 2020.

Com a disponibilidade acessível de consulta no Portal de Periódicos CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), pertencente ao Ministério de Educação e Cultura (MEC) do Brasil, tal levantamento para futuras análises deste artigo foram possíveis.

3.3. Fase 3ª: Os critérios de inclusão e exclusão

Os estudos considerados relevantes para o debate da seguiram os seguintes critérios de inclusão:

  • Acesso livre: foram inclusos documentos que possuiam o caráter gratuito de acessibilidade, de forma a alcançar maior universo de pesquisadores e leitores externos;

  • Tipificação documental: somente artigos científicos foram selecionados, dado o aporte teórico-metodológio mais estruturado para a proposta;

  • Idioma: priorizaram-se estudos em inglês, espanhol e português por se apresentarem em maior quantidade nas bases, e serem de melhor compreensão, tanto por parte dos autores desta pesquisa quanto dos leitores, extrínsecos à academia.

Tendo sido expressos tais aspectos inclusivos, o único ponto que poderia desclassificar a seleção de documentos para este estudo se deu por:

  • Categorização ou área temática: foram excluídas pesquisas centradas em aspectos medicinais, que tratassem de análises biológicas, químicas e físicas da área da saúde.

3.4. Fase 4ª: Verificação da qualidade de produção elegível

A partir de uma análise vertical da titulação e resumo dos estudos, eliminaram-se os documentos que não correspondiam ao propósito da pesquisa.

Em uma segunda instância com maior seletividade e horizontalidade, a quantidade de estudos que iriam agregar, de fato, à problemática foi ainda mais reduzida, levando em conta os conceitos, reflexões e práticas descritas de forma que expressassem a inter-relação existente entre os temas desta proposta.

Assim, as demais pesquisas que consideraram propostas aquém à interseção entre economia solidária, Incubadoras Sociais, desenvolvimento regional e políticas públicas foram descartadas por não apresentarem contribuições suficientemente relevantes para esta análise.

3.5. Fase 5ª: Análise das produções elegíveis e inclusas

Sob a perspectiva da Bibliometria, todos os artigos selecionados na fase anterior foram correlacionados, gerando, com o suporte dos softwares RStudio e Bibliometrix, ilustrações gráficas compreensíveis à análise dos mesmos ao longo do tempo. Ademais, para trazer resultados viáveis ao debate te´orico, foram considerados como parâmetros de análise a produtividade dos autores, os periódicos indexados em sua escala de importância e a frequência de palavras presentes neste escopo. Assim, a potencialidade da união metodológica entre os aspectos numéricos e qualitativos mostrar-se-ia notoriamente contributiva para os avanços científicos neste universo.

4. Resultados

Seguindo as etapas metodológicas primárias, secundárias e terciárias, o levantamento de dados proporcionou 1877 resultados nas bases científicas pesquisadas, dos quais, 123 pertencentes à SCOPUS (6,55%) e 1754 à WEB OF SCIENCE (WOS) (93,45%). Após o cruzamento das bases no RStudio (2021), um total de 1856 resultados foram identificados, exportados e devidamente incorporados no Bibliometrix (2021), sendo parte da análise de elegibilidade 45 artigos, inclusos de acordo com a qualidade de produção efetiva para construção teórica. Seguindo, os dados bibliométricos, expostos em termos gerais na tabela 1, foram gerados mediante o quantitativo de 1856 resultados.


Tabela 1. Informações gerais totais

DESCRIÇÃO

RESULTADOS

PRINCIPAIS INFORMAÇÕES

Intervalo de tempo

2012:2020

Fontes (Revistas, livros, etc)

580

Documentos

1856

Média de anos de publicação

3,22

Média de citações por documento

4,737

Média e citações por ano/documento

0,9801

Referências

68729

CONTEÚDO DOS DOCUMENTOS

Palavras-chave adicionais (ID)

2309

Palavras-chave do autor (DE)

5474

AUTORES

Autores

4666

Aparições do autor

Autores de documento de única autoria

5331

346

Autores de documento de múltipla autoria

4320

COLABORAÇÃO AUTORAL

Documento de única autoria

361

Documento por autor

Autores por documento

Coautores por documento

0,398

2,51

2,87

Índice de colaboração (INDEX)

2,89

Notas: Adaptação da tabela automática do software online. Fonte: Bibliometrix, 2021

Quanto à produção científica anual apresentada na tabela 2, observa-se a ascensão desde 2014 com 48 artigos e em 2020 possui 430 documentos. Já a média de citações por ano encontra-se na faixa de, aproximadamente 3,21 em 2012, decrescendo progressivamente em 2020 em cerca de 1,07. Assim, a média de citações por artigo também apresenta queda desde 2014, onde, no ano anterior, apresentou seu maior valor (29,04).

Tabela 2. Média de citações totais por ano (MC)

ANO

MC/artigo

MC/ano

Citação/ano

2012

31

28,87096774

3,207885305

9

2013

26

29,03846154

3,629807692

8

2014

48

15,83333333

2,261904762

7

2015

174

6,683908046

1,113984674

6

2016

203

5,679802956

1,135960591

5

2017

248

5,068548387

1,267137097

4

2018

302

3,88410596

1,294701987

3

2019

371

3,051212938

1,525606469

2

2020

430

1,072093023

1,072093023

1

Notas: Adaptação da tabela automática do software online. Fonte: Bibliometrix, 2021

De acordo com o gráfico de três campos, mais da metade dos autores buscaram fundamentar suas teorias a partir da literatura científica pertencente ao intervalo de tempo entre 1985 a 2021, cujas publicações em periódicos tratavam de fatores empresariais, desenvolvimento, políticas públicas e aspectos geográficos. Atualmente, as principais construções teóricas em ascensão estão dentro dessas vertentes, desencadeando nas subáreas de sustentabilidade e inovação.

Quanto às fontes mais relevantes, o periódico Sustainability aparece com 310 artigos. Os demais estão na faixa de 33 a 37 documentos (CIRIEC; Baltic Journal of Economic Studies; Universidad y Sociedad), de 22 a 27 (Entrepreneurship and Sustainability Issues; EURE) e de 13 a 17, contemplando alguns periódicos de origem brasileira (Inclusiones; Conrado; Local Economy; Avances; Amfiteatru Economic; Tecnologia e Sociedade; Montenegrin; Economic and Social Changes; Plos One; Desenvolvimento e Ambiente; REVESCO; Land; Investigaciones Regionales).

No que cerne ao grau de impacto local das fontes, o periódico Sustainability lidera com 16 no índice h-index, seguido por Entrepreneurship and Sustainability Issues e Plos one (h-index 6), e EURE e Land (h-index 5). Ainda, outras apresentam, respectivamente, grau 4 (CIRIEC, Amfiteatru Economic e Local Economy), 3 (Baltic, CIRIEC, Investigaciones Regionales, REVESCO e Montenegrin), 2 (COODES; Desenvolvimento e Ambiente, Economic and Social Changes, Tecnologia e Sociedade, e Avances) e 1 (Universidad y Sociedad e Conrado).

Considerando a primeira Lei da Bibliometria, que analisa o grau de relevância de um periódico frente ao seu núcleo de abordagem, os seguintes artigos apresentam-se em ordem decrescente de importância. Liderando a zona 1, em um total de 16 revistas, nas três primeiras posições encontram-se Sustainability, COODES e Revista Universidad y Sociedad. Já na zona 2, de um total de 104 periódicos, estão Amfiteatru Economic, Avances, Local Economy e Revista Conrado nas principais colocações. Quanto à zona 3, foram totalizados 461 periódicos, representando o maior percentual gráfico. Apesar de representar o maior conjunto, não necessariamente suas contribuições implicam de forma assertiva em cenários mais amplos. Estes dados são ilustrados a seguir (vide Gráfico 1):

Figura 1. Ranking de periódicos segundo Bradford

Notas: Elaborado pelos autores a partir do software. Fonte: Bibliometrix, 2021

Considerando as afiliações mais relevantes dentro da área de escopo, nota-se que a Universidad Pinar Del Rio Hermanos Saiz Montes de Oca está no topo com 49 produções relacionadas; seguindo-se a Universidade de Valencia aparece com 43 documentos e o Instituto de Geografia, Ciência e Recursos Naturais com 42 artigos. Ainda foi importante observar que existem afiliações brasileiras presentes com 18 produções pertencentes à Universidade Federal do Rio de Janeiro. É importante ressaltar que a Universidade de Valencia pode corresponder a uma das sedes da CIRIEC.

Dos países que mais possuem frequência de produtividade de documentos, é imprescindível perceber a China em primeiro lugar com 747 produções, seguido por Brasil com 661 e Espanha (428), ficando em último lugar a Argentina com 81 documentos. Porém, ao avaliar os países mais citados, Reino Unido aparece na primeira posição com 1075 citações, seguida da China (941) e Itália (810), deixando o Brasil em antepenúltimo lugar com 131 citações (média de 0,662 ao ano) e Espanha em sexto com 534 citações (média de 3,513 ao ano).

Há múltiplas possibilidades para explicar isto, uma vez que a aplicabilidade e contexto são variados. Por exemplo, a quantidade de estudos brasileiros sobre os temas pode advir da sua longa experiência dentro da economia solidária, enquanto que as produções chinesas poderiam ultrapassar as anteriores devido ao grande volume de dados em comparação a outros países, podendo resultar em anomalias estatísticas. De qualquer forma, é crucial considerar a relevância das publicações à luz do contexto e replicabilidade, qualidade das contribuições, necessidade de casos práticos ou fortalecimento do arcabouço teórico, sendo sugeridos para futuros estudos.

No que tange aos autores, aqueles que possuem maior grau de relevância em quantidade de produção são: Liu Y e Wang Y (14), Li Y (11), Torres P C e Zhang X (9) e Liu J (7). Seguem-se autores com 6 artigos cada (Chen X, Ferrarini A, Gaiger L, Li J, Li Q, Salvati L e Zhang H), 5 artigos (Davidescu A, Li X, Strat V, Xu Z e Zhang S) e 4 artigos (Abrham J e Chen L). Já a produção dos autores ao longo do tempo, os documentos mais citados apresentam-se como o de Liu Y no ano de 2015 (76), Zhang S em 2018 (61) e Chen L em 2014 (45).

Na perspectiva da segunda Lei da Bibliometria que avalia o grau de produtividade dos autores considerando as produções e citações, a quantidade de documentos escritos por 4227 autores é de 1, valendo uma proporção de 0,906 por autor. Nesta perspectiva, 321 autores escreveram cerca de 2 artigos, equivalente a uma proporcionalidade de 0,069 e somente 69 autores produziram 3 artigos (cerca de 0,015 proporcional), ficando em último lugar somente 2 autores que escreveram 14 produções com proporção equivalente a zero. O gráfico 2, a seguir, ilustra tal produtividade e, levando em conta a lei do quadrado inverso, o menor quantitativo de produção representa maior produtividade por autor (próximo ou igual a 1), podendo depender ou não das suas citações.

Figura 2. Avaliação de produtividade segundo Lotka

Notas: Gerado automaticamente pelo software. Fonte: Bibliometrix, 2021.

Ao analisar as palavras mais frequentes dos dados levantados, é possível aplicar a terceira Lei da Bibliometria – Zipf – que corresponde à frequência média de palavras dentro das produções. Sendo assim, as 20 principais são, em ordem de ocorrência: “regional-development” (110), “innovation” (103), “growth” (99), “management” (74), “policy” (67), “impact” e “model” (51), “systems” (48), “performance” (47), “entrepreneurship” (46), “knowledge” (45), “governance” (44), “sustainability” (38), “cities” e “networks” (37), “dynamics” (35), “economic-growth” (32), “china” (31), “determinants” e “framework” (30). O gráfico 3 , a seguir, considera a rede de palavras, embasada no mapa temático dos documentos, cuja maior concentração de estudos se encontram em “regional-development” (rede azul), “growth” (rede vermelha) e “management” (rede verde).

Figura 3. Rede de palavras em relação ao mapa temático

Notas: Gerado automaticamente pelo software. Fonte: Bibliometrix, 2021.





5. Discussões

5.1. Referente à Economia Solidária

É notória que os artigos que tratam dessa temática apresentam uma característica evolutiva ao longo dos anos. Dentre os trabalhos analisados referentes à economia solidária, três periódicos se destacam, de forma a comprovar sua influência e contribuição nas demais produções desta área: REVESCO, CIRIEC e Sustainability. Todos os autores concordam com as perspectivas conceituais e valores da economia solidária, acrescendo que existem desafios para um consenso das terminologias. Ademais, os autores selecionados afirmam que esse modelo de produção possui grande potencial para o desenvolvimento, devendo ser inserido nas agendas governamentais.

Quanto às perspectivas mais interessantes, Maciel e Ferrarini (2020) reverberam a importância de indicadores de eficiência para empreendimentos de cunho solidário como uma forma valorizar o setor, suplantando-o frente a sua marginalização por possiur uma complexidade de variáveis qualitativas, reafirmadas acima do fator econômico. Para Gaiger e Kuven (2019) e Saguier e Brent (2017), estes instrumentos de monitoramento poderiam proporcionar políticas mais assertivas ao setor por meio de sistemas de governança e desenvolvimento social. Além disso, Castilho et al. (2018) afirmam que a gestão do conhecimento na economia solidária é de extrema relevância na geração de competitividade saudável entre seus integrantes, sem denegrir seus princípios de consumo e produção com eficiência de recursos.

Outro fator que se destaca, na ótica de Pardo (2020), se relaciona à revolução digital e a institucionalização de moedas sociais como ferramentas de fomento à rede solidária, além de iniciativas de crédito que trazem maior senso de igualdade entre os usuários. Nesta lógica, Moraes e Bacic (2020) argumentam que a criação de um ecossistema empreendedor facilitaria a consolidação das atividades solidárias, pois partilha o papel de reforço, presente na tríplice hélice universidades-empresas-sociedade, à identidade coletiva solidária (Fici, 2015; Mendonça et al., 2020).

5.2. Referente às Incubadoras Sociais

Quanto às produções sobre as Incubadoras Sociais, a temática está mais concentrada na área empresarial tradicional do que a social, sendo percebido até mesmo no escopo pesquisado nas bases. Somente dois periódicos dentro da realidade social mostram-se com maior frequência, sendo eles “Sustainability” e “Growth and Change”, sucessivamente. Seus autores concordam quanto ao conceito de incubadoras, funções e papel social, apesar de ainda ser desafiador compreender suas operacionalizações e metodologias.

O tópico mais relevante citado pelos autores relaciona-se à inovação social que as incubadoras proporcionam, como indicam Adham et al. (2018). Estes programas elaboram soluções tecnológicas para melhorar arranjos produtivos a partir de uma visão holística das oportunidades e desafios (Helman, 2020). Quanto à sua influência, Kogut-Jaworska & Ociepa-Kicińska (2020) expressam o fato curioso de sua mutualidade, em que a incubadora é capaz de dinamizar o desenvolvimento dos empreendimentos e, ao mesmo tempo, isso somente ser possível caso tenha investimento de seus agentes responsáveis. Gattai e Bernardes (2013) e Harmaakorpi e Rinkinen (2020) complementam que os projetos extensionistas inserem estes empreendimentos solidários no mercado com responsabilidade, favorecendo o papel socioeducativo das incubadoras.



5.3. Referente às Políticas públicas e Desenvolvimento Regional

Este último tópico foi visto com maior frequência entre os estudos levantados, principalmente por conta das tendências sobre sustentabilidade. Os periódicos que mais tratam deste tema são "Sustainability" e “CIRIEC” e o terceiro possui um grau significativo de influência para futuros estudos (“Entrepreneurship and Sustainability Issues”). De forma geral, os pesquisadores abordam conjuntamente estes dois itens, concordando entre si sobre a relevância do viés sustentável nas políticas públicas e seu caráter estratégico para o desenvolvimento.

Sobre a sustentabilidade, os autores explanam que a mesma proporciona estratégias globais com aplicabilidades regionais para o alcance de um desenvolvimento eficaz (Imaz & Eizagirre, 2020; Schwab et al., 2020; Villalba-Eguiluz, Egia-Olaizola, et al., 2020). Exemplos sobre gestão de resíduos e compras públicas são citados pelos autores Gutberlet et al. (2020) e Oliveira e Santos (2015).

Quanto ao eixo estratégico vinculado à responsabilidade, tratado nos estudos de Vergara-Romero & Sorhegui-Ortega (2020), as políticas públicas de desenvolvimento regional possuem caráter holístico redutor da exclusão socioeconômica, implicando em todas as esferas, o que Nagem e Silva (2013) e Oliveira e Santos (2015) já haviam defendidos em suas pesquisas. Em consonância aos autores Op. Cit., Kłobukowski e Pasieczny (2020) e Silveira et al. (2020) complementam que políticas públicas regionais incentivam o avanço dos diversos empreendimentos e suas redes de negócios por meio da mutualidade.

Na visão de Gálvez (2016), ele identifica, de forma mais incisivo-reflexiva, rupturas socioeconômicas regionais que o desenvolvimento em escala nacional não consegue resolver por não possuir uma atuação regional das metas globais, visto que o aspecto macroespacial não considera, em sua totalidade, as características das localidades. Dessa forma, Nagem e Silva (2013) esclarece que, ao considerar as PP como atenuantes aos problemas regionais, desafiar os paradoxos e divergências existentes quanto à sua implantação dificultaria o efetivo desenvolvimento sustentável.

6. Considerações finais

O presente artigo norteou-se responder a seguinte problemática: No contexto da economia solidária, como têm evoluído as pesquisas sobre Incubadoras Sociais enquanto instrumento corroborativo ao fomento de políticas públicas em desenvolvimento regional?

Instrumentalizado em uma análise bibliométrica, foi imprescindível observar a diversidade de dados levantados dentro da temática, bem como as contribuições relevantes trazidas ao longo das discussões.

Levando em conta a lei de Bradford, existe um vasto quantitativo de estudos na zona 3 que não necessariamente representam o mesmo valor em qualidade, uma vez que a interseção das pesquisas em suas devidas áreas temáticas podem proporcionar uma interação viável entre os conceitos ou dispersá-los em seus núcleos. Desta forma, sugere-se para estudos futuros analisar o conjunto da zona 3 de maneira aprofundada, comparando-o aos demais em grau de contribuição e impacto frente sua aplicabilidade em novas propostas científicas.

Já na lei de Lotka, identificou-se uma quantidade de autores que produzem um estudo como sendo superior aos que trabalham colaborativamente. Existem algumas razões para que isso seja uma realidade como, por exemplo, a percepção superior do ineditismo de trabalhos individuais, ausência de alinhamento de propostas entre os autores, preferência à pesquisa individual e conflito de ideias entre autores. Embora haja necessidade de posicionamentos diferenciados para construção de definições coesas em meio a complexidade de fatores qualitativos, estes aspectos podem impactar diretamente na densidade dos núcleos temáticos. Neste ponto, sugere-se estudar a relação dos autores entre si, com suas temáticas e o seu impacto nos núcleos de pesquisa mediante alguns dos elementos apresentados acima.

Em relação a lei de Zipf, a rede mais representativa na pesquisa adentra o conceito de desenvolvimento regional, seguida de crescimento e gestão. Seria interessante averiguar em novas pesquisas como se dão as conexões entre os agentes de cada rede e das redes entre si, bem como seus pontos de convergência e dispersões, considerando seu papel no suporte ao progresso das subtemáticas emergentes.

De forma geral, confirmou-se o crescimento progressivo das temáticas no intervalo de tempo estipulado, tendendo majoritariamente a estudos sobre sustentabilidade. Produções internacionais são vistas em maior proporção no escopo pesquisado do que as produções nacionais. Apesar da baixa representatividade em comparação ao cenário internacional, o crescimento de produções nacionais testifica a percepção de importância das mesmas dentro do território em que estão presentes. No caso do Brasil, o mesmo aparece em terceiro lugar no ranking de relevância das afiliações e em segunda posição quanto à frequência de produtividade de pesquisas, podendo ser resultado de sua longa experiência em economia solidária.

De acordo com cruzamento dos dados e análise teórica, algumas potencialidades ficaram claras. Grande parte dos autores mostra que a criação de indicadores sociais poderia auxiliar na operacionalização das Incubadoras Sociais para dar suporte à economia solidária corroborar para o fomento de políticas públicas mais centradas nesta realidade. Isso confirma o desafio da questão metodológica dentro das Incubadoras Sociais, sendo necessários mais estudos que abordem detalhadamente seus arranjos adequados.

Outro aspecto relaciona-se aos esforços em reconhecer Incubadoras Sociais como instrumento unificador da economia solidária e do desenvolvimento regional, aprimorando a compreensão das circunstâncias destes empreendimentos para gerar políticas públicas a nível microterritorial. Isso poderia resolver as disfunções entre metas nacionais e globais a partir das possibilidades realistas dos microterritórios, abordados por alguns autores.

Quanto às limitações deste estudo, o mesmo teve como foco produções científicas de duas bases devido ao dimensionamento da pesquisa. Por isso, sugere-se uma busca mais ampla em outras bases científicas, além de se considerar relevante incluir outras nomenclaturas igualmente relacionadas às temáticas tratadas a fim de expandir o panorama abordado. Isto poderia proporcionar maior representatividade quanto à contribuição das Incubadoras Sociais para fortalecer a economia solidária e o desenvolvimento regional através das políticas públicas.

Conclui-se que a problemática do estudo foi respondida integralmente, porém isso não exclui o potencial de novas propostas inovadoras dentro da área de conhecimento analisada.

Referências

Adham, K. A., Muhamad, N. S., Said, M. F., Abdul Sarhadat, S., Ismail, H. A., & Mohd Nasir, M. F. A. (2018). Diagnosing Business Incubation for Social Purpose: A Viable System Model Approach. Systemic Practice and Action Research, 32(2), 219–238. https://doi.org/10.1007/s11213-018-9465-8

Addor, F., & Laricchia, C. R. (Org.). (2018). Incubadoras Tecnológicas de Economia Solidária: concepção, metodologia e avaliação. Editora UFRJ.

Alvarado, R. U. (2002). A Lei de Lotka na bibliometria brasileira. Ciência da informação, 31(2), 14-20. https://doi.org/10.1590/S0100-19652002000200002

Avdiushchenko, A., & Zając, P. (2019). Circular Economy Indicators as a Supporting Tool for European Regional Development Policies. Sustainability, 11(11), 3025–3047. https://doi.org/10.3390/su11113025

Ávila, R. C., & Campos, J. L. M. (2018). La economía social ante los paradigmas económicos emergentes: innovación social, economía colaborativa, economía circular, responsabilidad social empresarial, economía del bien común, empresa social y economía solidaria. CIRIEC-España, Revista de Economía Pública, Social y Cooperativa, 93, 5–50. https://doi.org/10.7203/ciriec-e.93.12901

Avila, R. C., & Bono, J. R. G. (2020). Transformative Policies for the Social and Solidarity Economy: The New Generation of Public Policies Fostering the Social Economy in Order to Achieve Sustainable Development Goals. The European and Spanish Cases. Sustainability, 12(10), 4059–4088. https://doi.org/10.3390/su12104059

Barbosa, R. N. C. (2007). A Economia Solidária como política pública: uma tendência de geração de renda e ressignificação do trabalho no Brasil. Editora Cortez.

Beran, V., Teichmann, M., Kuda, F., & Zdarilova, R. (2020). Dynamics of Regional Development in Regional and Municipal Economy. Sustainability, 12(21), 9234–9252. https://doi.org/10.3390/su12219234

Bernardino, S., & Santos, J. F. (2017). Local development through social and territorial innovation: An exploratory case study. CIRIEC-España, Revista de Economía Pública, Social y Cooperativa, 90, 159–188. https://doi.org/10.7203/ciriec-e.90.9155

Bibliometrix. (2021). [Software online]. Microsoft.

Burgos, B. M. V., Arévalo, S. O. Q., & Castro, W. R. A. (2020). Emprendimientos de economía solidaria en Colombia. Revista Venezolana de Gerencia, 25(3), 572–587. https://doi.org/10.37960/rvg.v25i3.33392

Calbino, D., & Paula, A. (2013). Economia Solidária: investigação sobre o estado da arte. Gestão Contemporânea, 10(14), 371-397. http://seer2.fapa.com.br/index.php/arquivo

CAPES, 2021. Portal de Periódicos CAPES/MEC. [Acesso em: maio e junho de 2021]. Disponível em: https://www-periodicos-capes-gov-br.ezl.periodicos.capes.gov.br/index.php?

Carvalho, L., Rambo, A. G., & Stoffel, J. (2020). Agroecological territorial dynamics: considerations about brazilian settlements. Revista Produção E Desenvolvimento, 6, 1-19. https://doi.org/10.32358/rpd.2020.v6.480

Castillo, A. E., Pacheco, G. V., & Manotas, E. N. (2018). Gestión del conocimiento y competitividad en las cooperativas con sección de ahorro y crédito. REVESCO. Revista de Estudios Cooperativos, 127, 90–115. https://doi.org/10.5209/reve.59769

Concolato, C. de O. F., Cunha, M. R., & Afonso, H. C. A. da G. (2020). Economic feasibility for photovoltaic solar energy projects: a systematic review. Revista Produção E Desenvolvimento, 6, 1-13. https://doi.org/10.32358/rpd.2020.v6.506

Coraggio, J. (2013), Las três corrientes de pensamiento y acción dentro del campo de la Economía Social y Solidaria. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, 15(2), 11-24. http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2013v15n2p11

Curi Filho, W. R., Alves, J. C. M., Silva, F. F., & Viana, F. D. F. (2015). Desenvolvimento local e economia solidária: a experiência da Incubadora de Empreendimentos Solidários da UFOP (INCOP). Experiência. Revista Científica de Extensão, 1(1). https://doi.org/10.5902/18277

Díez, A., Fontalvo, R., Márquez, J.F., Medina, M., y Jiménez, C. (2021). Globalización y migraciones internacionales: claves analíticas de los emigrantes colombianos retornados a la región Caribe. Puerto Colombia, Colombia: Sello Editorial Universidad del Atlántico. http://investigaciones.uniatlantico.edu.co/omp/index.php/catalog/catalog/book/164

Diez, A., Romero, J. M. y Márquez, J. F. (2021). El retorno en los movimientos migratorios. Configuración espacial y selectividad migratoria en el departamento del Atlántico (Colombia). Tabula Rasa, 39, 157-190. https://doi.org/10.25058/20112742.n39.08

Egea Jiménez, C., Díez Jiménez, A., y Márquez Guerra, J. F. (2022). El retorno en Colombia desde sus dimensiones de análisis. Una revisión sistemática de la literatura. Revista de Estudios Sociales, (81), 75-92. https://doi.org/10.7440/res81.2022.05

Ferrari Mango, C. (2020). El entramado de actores entre Política Social y Economía Social en Argentina: Una mirada relacional local. Collectivus, Revista de Ciências Sociales, 7(1), 121-136. https://doi.org/10.15648/Collectivus.vol7num1.2020.2556

Ferreira, A. G. C. (2010). Bibliometria na avaliação de periódicos científicos. DataGramaZero-Revista de Ciência da Informação, 11(3), 1-9. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/320812351_Bibliometria_na_avaliacao_de_periodicos_cientificos.

Fici, A. (2015). Tendencias y perspectivas del derecho cooperativo en el contexto global y la supervisión como oportunidad para el sector de la economía solidaria. Boletín de La Asociación Internacional de Derecho Cooperativo, 49, 223–249. https://doi.org/10.18543/baidc-49-2015pp223-249

Forliano, C., De Bernardi, P., & Yahiauoi, D. (2021). Entrepreneurial universities: A bibliometric analysis within the business and management domains. Technological Forecasting and Social Chnge, 165, 1-16. https://doi.org/10.1016/j.techfore.2020.120522

Gaiger, L. I. G. (2012). Por um olhar inverso: prismas e questões de pesquisa sobre a economia solidária. Sociedade e Estado, 27(2), 313–335. https://doi.org/10.1590/s0102-69922012000200006

Gaiger, L. I., & Kuyven, P. (2019). Dimensões e tendências da economia solidária no Brasil. Sociedade e Estado, 34(3), 811–834. https://doi.org/10.1590/s0102-6992-201934030008

Gálvez, F. (2016). Políticas públicas y desarrollo regional en la sociedad de la información: tendencias y retos. Revista de Estudios Para El Desarrollo Social de La Comunicación, 12, 318–343. https://doi.org/10.15213/redes.n12.p318

Gattai, S., & Bernardes, M. A. (2013). Papel e responsabilidades da universidade no processo socioeducativo presente em movimentos de economia solidária. Revista de Administração Mackenzie, 14(6), 50–81. https://doi.org/10.1590/s1678-69712013000600004

Gonçalves, C. (2017). Regiões, cidades e comunidades resilientes: novos princípios de desenvolvimento. Urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 9(2), 371–385. https://doi.org/10.1590/2175-3369.009.002.ao15

Guedes, V. L. S, & Borschiver, S. (2005). Bibliometria: uma ferramenta estatísitca para a gestão da informação e do conhecimento, em sistemas de informação, de comunicação e de avaliação científica e tecnológica. Encontro Nacional de Ciência da Informação, 6(1), 1-18. Disponível em: http://www.cinformanteriores.ufba.br/vi_anais/docs/VaniaLSGuedes.pdf

Guerra, P. (2007). Cómo denominar a las experiencias económicas solidarias basadas en el trabajo? Diálogo entre académicos latinoamericanos acerca de la polémica conceptual. Otra Economía, 1(1), 1-7. http://revistas.unisinos.br/index.php/otraeconomia/article/view/1056

Gutberlet, J., Besen, G. R., & Morais, L. (2020). Participatory solid waste governance and the role of social and solidarity economy: experiences from São Paulo, Brazil. Detritus, 13, 167–180. https://doi.org/10.31025/2611-4135/2020.14024

Gutiérrez-Salcedo, M., Martínez, M. Á., Moral-Munoz, J. A., Herrera-Viedma, E. & Cobo, M. J. (2018). Some bibliometric procedures for analyzing and evaluating research fields. Applied Intelligence, 48(5), 1275-1287. https://doi.org/10.1007/s10489-017-1105-y

Harmaakorpi, V., & Rinkinen, S. (2020). Regional development platforms as incubators of business ecosystems. Case study: The Lahti urban region, Finland. Growth and Change, 51(2), 626–645. https://doi.org/10.1111/grow.12375

Helman, J. (2020). Analysis of the Local Innovation and Entrepreneurial System Structure Towards the ‘Wrocław Innovation Ecosystem’ Concept Development. Sustainability, 12(23), 10086–10103. https://doi.org/10.3390/su122310086

Imaz, O., & Eizagirre, A. (2020). Responsible Innovation for Sustainable Development Goals in Business: An Agenda for Cooperative Firms. Sustainability, 12(17), 6948–6968. https://doi.org/10.3390/su12176948

Klein, J. L., Tremblay, D. G., Sauvage, L., Ghaffari, L., & Angulo, W. (2019). Cultural Initiatives and Local Development: A Basis for Inclusive Neighborhood Revitalization. Urban Planning, 4(1), 78–90. https://doi.org/10.17645/up.v4i1.1658

Kłobukowski, P., & Pasieczny, J. (2020). Impact of Resources on the Development of Local Entrepreneurship in Industry 4.0. Sustainability, 12(24), 10272–10297. https://doi.org/10.3390/su122410272

Knill, C & Tosun, J. (2020). Public Policy: a new introduction. Bloomsbury, 292p.

Kogut-Jaworska, M., & Ociepa-Kicińska, E. (2020). Smart Specialisation as a Strategy for Implementing the Regional Innovation Development Policy — Poland Case Study. Sustainability, 12(19), 7986–8007. https://doi.org/10.3390/su12197986

Lange, B., & Schmidt, S. (2020). Entrepreneurial ecosystems as a bridging concept? A conceptual contribution to the debate on entrepreneurship and regional development. Growth and Change, 00, 1–18. https://doi.org/10.1111/grow.12409

Lester, J. P.; Wilds, L. J. (1990). The utilization of public policy analysis: A conceptual framework. Evaluation and Program Planning, 13(3), 313–319. https://doi.org/10.1016/0149-7189(90)90062-2 

Lestrade, S. (2017). Unzipping Zipf’s Law. Plos One, 12(8), e0181987. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0181987

Li, G., Wu, J., Li, J., Wang, K., & YE, T. (2018). Service Popularity-based smart resources partitioning for fog computing-enabled industrial internet of things. IEEE Transactions on Industrial Informatics, 14(10), 4702-4711. https://doi.org/10.1109/TII.2018.2845844

Lima Junior, I. M., Rodrigues, A. R. P., Mello, J. A. V. B. (2021). Riscos, complexidade e incertezas na cadeia de suprimentos: uma revisão sistemática de literatura. P2P E INOVAÇÃO, 7(2), 277–294. https://doi.org/10.21721/p2p.2021v7n2.p277-294

Lima, J. C., & Souza, A. R. D. (2014). Trabalho, solidariedade social e economia solidária. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, 93, 139–168. https://doi.org/10.1590/s0102-64452014000300006

Lima, P. H. S., Sousa, M. L. M., Alves, L. S. F., & Almeida, J. E. (2021). Public policies on water resources for the brazilian northeastern semiarid region. Revista Produção E Desenvolvimento, 7, 1-14. https://doi.org/10.32358/rpd.2021.v7.515

Maciel, J. P., & Ferrarini, A. V. (2020). Eficiência sistêmica em empreendimentos econômicos solidários de reciclagem: construção e aplicação de indicadores multidimensionais. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 54, 102-124. https://doi.org/10.5380/dma.v54i0.69164

Martins, J. T., & Ling, S. (2017). Local enterprise partnerships: Socialisation practices enabling business collective action in regional knowledge networks. Knowledge and Process Management, 24(4), 269–276. https://doi.org/10.1002/kpm.1546

Matarazzo, G., & Boeira, S. L. (2016). Incubação de cooperativas populares: representações sociais e tensões entre racionalidades. Cadernos EBAPE.BR, 14(1), 207-227. https://doi.org/10.1590/1679-395131514

Mayoral, M. M. J., & Martínez, F. R. M. (2018). Desarrollo local sostenible, responsabilidad social corporativa y emprendimiento social. Equidad y Desarrollo, (31), 27–46. https://doi.org/10.19052/ed.4375

Mendonça, R. M. L. O., De Mello, E. M. R., Nery, S. D. O., & Filho, E. R. (2020). The Community Gardening Project in Belo Horizonte: practicing systemic networks, agroecology and solidarity economy. Strategic Design Research Journal, 13(2), 213–233. https://doi.org/10.4013/sdrj.2020.132.07

Meyer, C. (2020). Reinforcing comparative monitoring of Smart Specialisation performance across European regions: transnational RIS3 observatory model as a tool for Smart Specialisation governance. Entrepreneurship and Sustainability Issues, 8(2), 1386–1400. https://doi.org/10.9770/jesi.2020.8.2(81)

Mishenin, Y., Koblianska, I., Medvid, V., & Maistrenko, Y. (2018). Sustainable regional development policy formation: role of industrial ecology and logistics. Entrepreneurship and Sustainability Issues, 6(1), 329–341. https://doi.org/10.9770/jesi.2018.6.1(20)

Morais, L. P., & Bacic, M. J. (2020). Social and Solidarity Economy and the need for its entrepreneuring ecosystem: current challenges in Brazil. CIRIEC-España, Revista de Economía Pública, Social y Cooperativa, 98, 5–30. https://doi.org/10.7203/ciriec-e.98.14138

Nagem, F. A., & Silva, S. P. (2013). Institucionalização e execução das políticas públicas de economia solidária no Brasil. Revista de Sociologia e Política, 21(46), 159–175. https://doi.org/10.1590/s0104-44782013000200010

Oliveira, B. C. S. C. M. D., & Santos, L. M. L. D. (2015). Compras públicas como política para o desenvolvimento sustentável. Revista de Administração Pública, 49(1), 189–206. https://doi.org/10.1590/0034-76121833

Oliveira, M., & Zanin, M. (2011). Economia Solidária: Uma temática em evolução nas dissertações e teses brasileiras. Revista Brasileira de Ciência, Tecnologia e Sociedade, 2(1), 181-193. https://www.revistabrasileiradects.ufscar.br/index.php/cts/article/view/121

Olsson, A. R., Westlund, H., & Larsson, J. P. (2020). Entrepreneurial Governance and Local Growth. Sustainability, 12(9), 3857–3873. https://doi.org/10.3390/su12093857

Panciroli, A., Santangelo, A., & Tondelli, S. (2020). Mapping RRI Dimensions and Sustainability into Regional Development Policies and Urban Planning Instruments. Sustainability, 12(14), 5675–5703. https://doi.org/10.3390/su12145675

Pardo, E. C. (2020). MonedaPAR: una alternativa argentina para la economía social y solidaria. REVESCO. Revista de Estudios Cooperativos, 135, e69177. https://doi.org/10.5209/reve.69177

Peters, B. G. (2015). Advanced Introduction to Public Policy. Massachusetts-USA, Edward Elgar.

Porchmann, M. (2004). Economia solidária no Brasil: possibilidades e limites. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA - IPEA, 24, 23-34. http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/5249/1/bmt_n.24_economiasoli.pdf

Prim, M. A., Valdati, A. B., Dandolini, G. A., & Alves, J. B. M. (2017, September). A CONTRIBUIÇÃO DA VISÃO SISTÊMICA PARA O DESENVOLVIMENTO DAS INCUBADORAS SOCIAIS. VII Congresso Internacional de Conhecimento e Inovação, Foz do Iguaçu, Brazil. 1-15. https://proceeding.ciki.ufsc.br/index.php/ciki/article/view/234/93

Radovanović, T., Grandov, Z., & Filijović, M. (2020). THE ESSENCE AND IMPLICATIONS OF INTEGRATED LOCAL DEVELOPMENT PLANNING. EMC Review - Časopis Za Ekonomiju - APEIRON, 18(2), 248–263. https://doi.org/10.7251/emc1902248r

Rodrigues, A. S. M., Mello, J. A. V. B., & da Gama Afonso, H. C. A. (2019). Desenvolvimiento estimulado por empreendedorismo em incubadoras de empresa: Uma revisão sistemática. MÉI: Métodos de Información, 10(19), 1-27. https://doi.org/10.5557/iimei10-n19-001027

Romero, L., & Portillo-Salido, E. (2019). Trends in Sigma-1 receptor research: a 25-year bibliometric analysis. Frontiers in Pharmacology, 10, 564. https://doi.org/10.3389/fphar.2019.00564

RStudio. (2021). [Softaware de computador]. Microsoft. https://www.rstudio.com/

Saguier, M., & Brent, Z. (2017). Social and Solidarity Economy in South American regional governance. Global Social Policy, 17(3), 259–278. https://doi.org/10.1177/1468018116686921

Santos, C. V. (2018). Evolução da produção científica em Economia Solidária: o cenário brasileiro. Revista ORG & DEMO, 19(1), 97-112. https://doi.org/10.36311/1519-0110.2018.v19n1.07.p97

Schwab, F., Calle-Collado, N., & Muñoz, R. (2020). Economía social y solidaria y agroecología en cooperativas de agricultura familiar en Brasil como forma de desarrollo de una agricultura sostenible. CIRIEC-España, Revista de Economía Pública, Social y Cooperativa, 98, 189–211. https://doi.org/10.7203/ciriec-e.98.14161

SCOPUS, 2021. Portal Scopus Preview (Elsevier). Acesso a base Scopus. Disponível em: https://www.scopus.com/home.uri

Serra, F. A. R. (2015). Editorial comment constructing a literature review. Revista Ibero-americana de Estratégia, 14(3), 1-5. https://doi.org/10.5585/ijsm.v14i3.2271

Serra, F. A. R., Ferreira, M. P., De Camargo Guerrazzi, L. A., & SCACIOTTA, V. V. (2018). Doing Bibliometric Reviews for the Iberoamerican Journal of Strategic Management. Iberoamerican Journal of Strategic Management, 17(3), 1-16. http://dx.doi.org/10.5585/ijsm.v17i3.2713

Silveira, M. A. P., Mourão, P. J. R., & Rodrigues, T. H. P. T. (2020). How Economic Development Influences Entrepreneurial Networks-Dissecting Reasons for the Birth, Development and Death of Local Development’s Agents. Sustainability, 12(21), 8885–8906. https://doi.org/10.3390/su12218885

Singer, P. (2018). Ensaios sobre Economia Solidária. Edições Almedina.

Sordan, J. E., Pimenta, M. L., Oprime, P. C., Rodrigues, Y. T., & Marinho, C. A. (2021). Collaborative robotics: a literature overview from the perspective of production management. Revista Produção E Desenvolvimento, 7, 1-11. https://doi.org/10.32358/rpd.2021.v7.516

Souza, C. (2006). Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, 16, 20–45. https://doi.org/10.1590/s1517-45222006000200003

Souza, A. R., & Singer, P. (Org.). (2000). A Economia Solidária no Brasil: a autogestão como resposta ao desemprego. Editora Contexto.

Stanowicka, A. (2020). The image of a city in selected theories of regional development. Ekonomia i Prawo, 19(1), 135–148. https://doi.org/10.12775/eip.2020.010

Telles, L., Servós, C. M., & Bittencourt, J. V. M. (2020). Las perspectivas Latinoamericana y Europea de la Economía Solidaria. REVESCO. Revista de Estudios Cooperativos, 134(e69171). https://doi.org/10.5209/reve.69171

Vanti, N. A. P. Da bibliometria à webometria: uma exploração conceitual dos mecanismos utilizados para medir o registro da informação e a difusão do conhecimento. Ciência da Informação, 31(2), 152-162. https://doi.org/10.1590/S0100-19652002000200016

Vergara-Romero, A., & Sorhegui-Ortega, R. (2020). Local development factors from the organizational management perspective. Revista Amazonia Investiga, 9(33), 46–50. https://doi.org/10.34069/ai/2020.33.09.5

Villalba-Eguiluz, U., Arcos-Alonso, A., Pérez de Mendiguren, J. C., & Urretabizkaia, L. (2020). Social and Solidarity Economy in Ecuador: Fostering an Alternative Development Model?. Sustainability, 12(17), 6876–6893. https://doi.org/10.3390/su12176876

Villalba-Eguiluz, U., Egia-Olaizola, A., & Pérez de Mendiguren, J. C. (2020). Convergences between the Social and Solidarity Economy and Sustainable Development Goals: Case Study in the Basque Country. Sustainability, 12(13), 5435–5454. https://doi.org/10.3390/su12135435

Vitcel, M. S., Teixeira, E. B., Lemes, F. R. M., & Grzybovski, D. (2010). Contribuições da Economia Solidária para o Desenvolvimento Sustentável: o Caso da Incubadora Itecsol da Unijui. Desenvolvimento em Questão, 8(16), 45-71. https://doi.org/10.21527/2237-6453.2010.16.45-71

WEB OF SCIENCE, 2021. Portal Clarivate Analytics. Acesso a base Web of Science. Disponível em: https://clarivate.com/products/web-of-science.

Yeung, A., Goto, T. K., & Leung, W. K. (2017). The changing landscape of neuroscience research, 2006-2015: a bibliometric study. Frontiners in Neuroscience, 11(120), 1-10. https://doi.org/10.3389/fnins.2017.00120

Zupic, I., & Čater, T. (2015). Bibliometric methods in management and organization. Organizational Research Methods, 18(3), 429-472. https://doi.org/10.1177%2F1094428114562629